Coluna do Paulo Martins: Uma epopeia em três cores: O dia em que vi o São Paulo no Morumbi!

O torcedor é um sujeito esquisito. Ele tem por ofício cultivar medidas estranhas. Em dia de jogo, quando não a camisa de jogo surrada, veste alguma peça de roupa que o remeta a uma grande conquista. Sofre miseravelmente pelo time, seja em filas quilométricas para comprar ingressos ou entrar no estádio, seja pelo resultado que… Leia mais Coluna do Paulo Martins: Uma epopeia em três cores: O dia em que vi o São Paulo no Morumbi!

Coluna do Paulo Martins: Quando olhávamos o mundo de baixo para cima!

A perfeição não existe. É fato. Porém, há algo bem próximo dela. Melhor dizendo: há um momento da vida em que ela, essa “quase perfeição”, caminha entre nós e nos atinge de um modo tão simples e comum como se fosse brisa. Algo de uma simplicidade monumental! O incrível é que todos nós já a tivemos.… Leia mais Coluna do Paulo Martins: Quando olhávamos o mundo de baixo para cima!

Coluna do Paulo Martins: O mérito.

Uma das proficiências do tempo vivido é a oportunidade de formar convicções. Cada dia, cada situação, tudo nos é apresentado com um propósito quase subliminar de formar as “certezas” com as quais convivemos na jornada e das quais nos aproveitamos, como ferramentas para enfrentar o dia-a-dia. E uma das certezas que pude garimpar pelo caminho… Leia mais Coluna do Paulo Martins: O mérito.

Coluna do Paulo Martins: O Ponto de Alavancagem

As vergonhas se sucedem à ponto de tornarem-se comuns, já nem chocam mais. Nem mais vergonhas são, principalmente para quem não tem brio. E quase nem ferem mais, dado o estado calejado em que nos encontramos. Até o conceito de sofrimento vem sendo alterado em nós, uma reengenharia de sentimentos. Afinal o que é sofrimento… Leia mais Coluna do Paulo Martins: O Ponto de Alavancagem

Coluna do Paulo Martins: França Galdino, sujeito homem!

As Ruas São Paulo e Ugolino de Moraes eram “o ponto”. Sempre foram. Para os homens, havia um lugar predileto: o Bar do Sêo Maurico. Lá o fluxo de gente era o mais democrático e variado possível. Ricos e pobres conviviam sem receios ou melindres. Era habitat de pessoas peculiares, verdadeiras figuras. Os sujeitos vinham… Leia mais Coluna do Paulo Martins: França Galdino, sujeito homem!

COLUNA DO PAULO MARTINS: Eu aprecio dias assim…

Eu realmente gosto dos dias que antecedem um jogo importante. No dia, aprecio cada minuto que precede o embate, saboreio calmamente, degusto mesmo, de toda essa atmosfera que gera o clima de comoção ao redor de um jogo decisivo. Quero que chegue logo o jogo, mas também quero que estes momentos durem, um paradoxo estranho.… Leia mais COLUNA DO PAULO MARTINS: Eu aprecio dias assim…