Com a chegada da última rodada da fase de grupos, chega também os momentos mais dramáticos da Copa do Mundo. O contraste entre a felicidade de uma classificação e a tristeza da eliminação. E a partida entre Senegal e Equador foi uma síntese disso. Ambos entraram em campo buscando uma segunda participação nas oitavas de final. Só um conseguiu.

Com a vitória por 2 a 1, Senegal repete o feito de 2002 quando liderada pelo ídolo Papa Bouba Diop chegou até as quartas de final. O ex-atacante, morto há exatos dois anos, foi bastante lembrado antes e depois da partida.

Pelos torcedores nas cadeiras do Internation Khalifa e pelos jogadores dentro de campo, com uma bandeira com a foto de Dioup e com a frase “um verdadeiro leão nunca morre”, escrito em inglês. Agora os senegaleses encaram nas oitavas o primeiro colocado do Grupo B.

A campanha de Senegal na Copa começou com uma derrota por 2 a 0 para a Holanda. Mas a recuperação veio com duas vitórias, sobre o anfitrião Catar e nesta terça-feira, sobre o Equador.

Os sorrisos senegaleses, no entanto, contrastaram com o choro compulsivo de alguns jogadores do Equador após a partida. Entre eles, o goleiro Galíndez e o meia Moisés Caicedo, autor do gol equatoriano.

Após vencer o Catar na estreia e empatar com a Holanda, jogando melhor que os europeus, o Equador era apontado como favorito e precisava apenas de um empate para repetir a campanha da Copa de 2006, a única das quatro disputadas pelo País em que a seleção avançou para às oitavas.

Após partir para o tudo ou nada nos últimos minutos, em busca do gol da classificação, os jogadores equatorianos se atiraram no chão tão logo o árbitro Clément Turpin apitar o final do jogo.

GloboEsporte