O Conselho Deliberativo do São Paulo convocou reunião extraordinária para o dia 18 de outubro, próxima terça-feira, a fim de debater e votar a aprovação de mais três empréstimos junto a instituições bancárias.

Essa será a terceira vez neste ano que o Conselho Deliberativo do São Paulo debaterá e votará a aprovação de empréstimos. Em abril, o órgão aprovou a captação de dinheiro junto ao BTG Pactual. Já em junho três empréstimos, um do Banco Daycoval e dois do Banco Rendimento, também foram aprovados pelos conselheiros.

A aprovação do Conselho para a nova rodada de empréstimos é apenas uma formalidade, uma vez que o órgão já havia pré-aprovado a captação de até R$ 120 milhões no mercado ao longo deste ano.

Até agosto, o São Paulo levantou R$ 35 milhões em empréstimos, valor bem abaixo do teto estipulado pelo Conselho Deliberativo.

Mesmo com os empréstimos, o São Paulo acredita que apresentará uma diminuição da dívida geral do clube em breve, talvez até mesmo na reunião do Conselho Deliberativo da próxima terça-feira.

Há alguns meses, o diretor de futebol do São Paulo, Carlos Belmonte, garantiu que o empréstimo junto ao BTG Pactual aprovado em abril seria destinado para pagar a dívida do elenco relativa ao período da pandemia. Entretanto, faltando poucas semanas para o fim da atual temporada, essa pendência ainda existe.

Mesmo com a grande arrecadação com bilheteria e premiação de competições neste ano, o São Paulo vem enfrentando dificuldades financeiras a ponto de não ter pago a premiação dos jogadores por terem levado o clube à final da Copa Sul-Americana, o famoso “bicho”.

Para 2023, as perspectivas não são muito diferentes da realidade deste ano. O São Paulo, em processo de reconstrução, de acordo com a diretoria, deverá continuar apostando em contratações que demandem pouco investimento, como empréstimos ou acordos com atletas em fim de contrato.

Gazeta Esportiva