Antes de mais nada, parabéns a torcida por protestarem no último jogo. Sim, infelizmente pensam os dirigentes que somos palhaços. O final do jogo contra o Botafogo, somente reafirmou esta sensação. Uma zaga que falha mais uma vez, um meio de campo que inexiste e um ataque que luta, mas joga dissociado. Sem aproximação. Olhamos para o banco de reserva e vemos Reinaldo, Igor Vinícius e Marcus Guilherme. Quem acredita neste time?

Pelo menos deveria ser um time. Mas nada me surpreende. Esta equipe é medíocre e tem uma diretoria
que se perpetua no poder. Muda-se os nomes, todavia não se muda os valores ou a ideia de administração. Eu também acreditei nas promessas do senhor Casares. Ele é bom de marketing, sem dúvida. A modernidade está longe deste clube. Me lembra até aqueles políticos que defendem a estatização das empresas. Não há interesse de mudança. O torcedor vive tomando ducha de água fria, pelo menos aquele que acredita ainda em Nestor, Eder, Pablo Maia, Léo. Aliás, a insistência em alguns jogadores como Eder que vai embora, não dá para entender. Por que alguns não tem chance? As contratações amadoras desta diretoria neste campeonato não nos dão esperança de um futuro promissor. Outra vez, eu já disse.

A sensação que tenho é que o São Paulo está morrendo lentamente com uma doença crônica,
chamada incompetência. A torcida está cansada e luta a cada jogo para manter viva a história
do clube. Rogério, disse o narrador, estava irritado com os cruzamentos equivocados dos jogadores. Imagine nós Rogério, vendo um time sem qualidade, sem capacidade e sem técnica.

Pegue o seu boné Ceni e vá embora, você não merece como ídolo trabalhar com este elenco.
Também não quero julgá-lo como técnico, em respeito a sua trajetória no tricolor e porque
acredito que você não tem muito o que fazer. Quanto ao clube, enquanto os dirigentes não
entenderem que precisamos modernizar o clube, viveremos de uma linda história. Ficaremos
assistindo finais entre Flamengo, Palmeiras, Atlético e todos os times que se profissionalizaram. Aliás, estes jogadores não merecem nem a Pré-Libertadores. Não nos enganemos. Semana que vem teremos à frente o time campeão. O que será de nós? Mais uma humilhação? Bem, somos o time da fé.

Oremos!

Maria Denise Santiago