O São Paulo acertou a renovação de contrato do técnico Rogério Ceni, na última terça-feira (12), até 2023. O desfecho foi rápido, sem novelas ou polêmicas, mas pegou o treinador de surpresa pela vontade da diretoria de antecipar sua extensão de vínculo, que iria até o final da atual temporada.

Na semana passada, o presidente Julio Casares chamou o treinador para uma conversa sobre o planejamento de 2023, o que causou surpresa em Ceni, cujo contrato vai até o fim de 2022. Com isso, o mandatário abriu conversas para a renovação do ídolo e recebeu uma resposta positiva. O treinador se sentiu seguro em ter um contrato mais longo e, no começo desta semana, voltou a se reunir com a cúpula são-paulina para acertar sua extensão de vínculo. E três fatores foram essenciais para o novo acordo.

O primeiro foi a conversa entre ambas as partes. Diferente do ano passado, quando pediu contratações pontuais para reforçar a equipe, Ceni teria pedido, desta vez, organização estrutural e um trabalho mais qualificado em todas as áreas do clube. O treinador vê estes fatores como fundamentais para continuar o trabalho.

Outro fato que mexeu com a diretoria foi o assédio europeu. O staff de Rogério Ceni teria recebido uma oferta de dois clubes da Europa, como apurou o Jogada10, e o presidente Júlio Casares acelerou o processo para segurar o treinador, aumentando sua multa rescisória e seu tempo de contrato.

O aproveitamento no trabalho que vem sendo realizado por Rogério Ceni também foi um ponto que contou muito a favor para a extensão do vínculo. Na avaliação da diretoria, o treinador tem feito um bom papel à frente da equipe, que enfrenta inúmeros problemas médicos. Até aqui em 2022, o São Paulo foi vice-campeão do Campeonato Paulista e está vivo nas outras três competições da temporada. O treinador tem a confiança dos jogadores para seguir o trabalho.

Jogada10