Titular em dois jogos consecutivos do São Paulo, incluindo o clássico contra o Santos, Pablo Maia se tornou um exemplo a ser seguido em Cotia pelos garotos da base tricolor. A comissão técnica do sub-17, por exemplo, usou o atleta recém-promovido ao profissional como modelo de comportamento na conversa com os atletas que iniciaram nesta semana a preparação para a nova temporada.

“Eu usei o Pablo ontem de exemplo em uma reunião com o grupo. Eu trabalhei com o Pablo dez dias, a geração 2002, porque fui pra uma categoria, e eles continuaram no sub-16. Ele é um exemplo aqui dentro, porque sempre foi um atleta muito dedicado. Nunca foi o destaque da categoria, nunca foi o destaque técnico, nada disso, mas sempre foi muito eficiente, muito trabalhador, muito dedicado. Ele tem o perfil realmente de um atleta de alto nível”, disse Menta, treinador do time sub-17 do São Paulo, em entrevista à Gazeta Esportiva.

Apesar do pouco tempo treinando entre os profissionais, Pablo Maia vem convencendo o técnico Rogério Ceni de que tem potencial para assumir a responsabilidade no meio-campo da equipe. Contra o Santos, o volante não sentiu a pressão do clássico na Vila Belmiro e foi um dos melhores em campo.

Para Menta, no entanto, a ascensão de Pablo Maia não é surpresa. Embora tenha trabalhado pouco com o volante diretamente, o atual treinador do sub-17 percebeu no dia a dia em Cotia o quão sério ele levava sua carreira antes mesmo de chegar ao profissional.

“Ele se desenvolve muito bem, sempre busca se desenvolver. Lembro ele no paredão trabalhando a perna esquerda. Teve uma época que ele precisava atingir um peso ideal, então trabalhava mais que todo mundo. Ele sempre foi disciplinado”, prosseguiu Menta.

“Mesmo quando ele teve problemas particulares, não deixou se abater e continuou em busca do sonho dele. É um prêmio para aquele atleta que acredita no desenvolvimento, no trabalho, no envolvimento dos profissionais com ele. Obviamente que o cara tem que ter qualidade, e o Pablo tem, mas essa questão de trabalho, de dedicação, nem todo mundo acredita nisso no futebol, e é uma pena, porque muitos talentos acabam ficando no caminho”, pontuou.

O sucesso precoce de Pablo Maia no profissional surpreende ainda mais pelo fato de na semifinal da Copinha deste ano, o volante acabou cometendo uma falha que custou a classificação do São Paulo á final do torneio, justamente em um clássico contra o Palmeiras. Entranto, o lance, aparentemente, não traumatizou o garoto, que pouco tempo depois se mostrou pronto para atender às necessidades de Rogério Ceni na Barra Funda.

“O equívoco dele no jogo contra o Palmeiras, uma saída equivocada, ele estava jogando contra uma equipe de qualidade. A falha aconteceu, mas o que ele aprendeu com aquilo? O que aconteceu com ele depois? A gente costuma dizer que a base serve para errar. Ele foi passando por todas essas experiências, que são ricas, e isso serve para amadurecimento, aprendizado. Quando chega no profissional, chega maduro, com qualidade”, concluiu Menta.

Gazeta Esportiva