São Paulo intensificou sua busca por reforços com a chegada de Hernán Crespo ao Brasil. Embora ainda não tenha autorização para trabalhar de forma oficial no país, o técnico argentino já vem conversando com a diretoria para trocar ideias sobre possíveis nomes que podem desembarcar no Morumbi.

Dispondo de R$ 37 milhões para reforçar o elenco em 2021, o São Paulo vem adotando uma postura bastante pés no chão no que diz respeito a contratações. A intenção da diretoria é fazer movimentos no mercado de forma mais eficiente possível, gastando pouco e tendo um bom retorno esportivo.

A primeira contratação da gestão de Julio Casares se concretizou na última segunda-feira. Trata-se de Bruno Rodrigues, destaque da Ponte Preta na Série B. O atacante, que marcou 11 gols e deu outras 12 assistências na competição, chega para preencher uma lacuna importante no elenco tricolor, que é a de atacantes pelos lados de campo, de velocidade.

Apesar da vinda de Bruno Rodrigues, o São Paulo segue de olho no mercado em busca de mais nomes para o ataque, mas há outros setores que vem recebendo mais atenção como meio-campo, zaga, ataque e lateral-direita.

Juanfran, com contrato apenas até o fim do Campeonato Brasileiro, não deve permanecer no São Paulo. Igor Vinícius ficaria como único jogador de origem no setor. Por isso, a diretoria observa o mercado para trazer um lateral-direito. Primeiros volantes também vêm sendo analisados, já que apenas Luan exerce a função no plantel.

Por enquanto, muitos nomes são especulados no São Paulo, mas a diretoria vem agindo com discrição nos bastidores para poder aproveitar as oportunidades do mercado sem criar alarde e atrair concorrência. Estratégia pertinente para quem não estão em condições de entrar em leilão.

Gazeta Esportiva