O São Paulo fechou a contratação de Bruno Rodrigues no início desta semana. O jogador, que já fez exames médicos, é o primeiro reforço da gestão do presidente Julio Casares, que terá como treinador o argentino Hernán Crespo.

Com a chegada de Bruno Rodrigues, o Tricolor preenche uma das principais carências do atual elenco. O atacante, que costuma atuar pelos lados de campo, se destaca pela velocidade de dribles, atributos difíceis de encontrar no plantel são-paulino.

Embora conte com atletas que possam exercer essa função, como Toró e Rojas, o São Paulo esbarra na falta de profundidade desde a saída de Antony para o Ajax, da Holanda, na virada de semestre do ano passado.

Desembolsando R$ 250 mil pelo empréstimo de um ano de Bruno Rodrigues, o São Paulo espera voltar a ter sucesso em suas apostas vindas de clubes menores. Depois de se destacar com a camisa da Ponte Preta, marcando 11 gols e anotando outras 12 assistências, o atacante, se for bem com a camisa tricolor, fará com que o clube pague 1,2 milhão de euros (R$ 7,8 milhões) para tê-lo em definitivo.

O valor não impacta profundamente o orçamento do São Paulo previsto para reforços em 2021. A diretoria terá de trabalhar com um teto de R$ 37 milhões, e os R$ 250 mil iniciais para trazer Bruno Rodrigues não comprometerão futuras investidas do Tricolor.

Bruno Rodrigues pertence à Tombense, clube mineiro que disputa a Série C do Brasileirão, e tinha propostas de outros clubes, como Cruzeiro e Bahia, além da oferta para renovar seu empréstimo com a Ponte Preta. O interesse do São Paulo, porém, fez com que ele optasse por desembarcar ao Morumbi.

Gazeta Esportiva