Hernán Crespo será o sexto argentino a treinar o São Paulo. Contratado por dois anos para quebrar o longo jejum de títulos do clube, o recém-campeão da Copa Sul-Americana com o Defensa y Justicia tenta trilhar o mesmo caminho de alguns conterrâneos.

Antes de Crespo, já haviam passado pelo Morumbi outros cinco treinadores argentinos. Tito Lopes foi o primeiro, em 1938, mas sua passagem conta com poucos detalhes. Alejandro Galan Jim Lopes veio depois, treinou o São Paulo de 1953, ano em que  venceu o Campeonato Paulista, a 1954 e, posteriormente, em 1965.

Na década de 1950 o São Paulo ainda contou com outro técnico argentino: Armando Federico Renganeschi, que ficou no clube de 1958 a 1959, mas não conseguiu repetir o sucesso de Jim Lopes.

Mais tarde Jose Poy, uma das maiores figuras da história do São Paulo, iniciaria sua trajetória como treinador, tendo diversas passagens entre 1964 e 1983, se sagrando campeão paulista de 1975, comandando, entre outros nomes, Muricy Ramalho, atual coordenador de futebol do Tricolor.

O último argentino a passar pelo Morumbi foi Edgardo Bauza, em 2016. Apesar de não se destacar pelo futebol vistoso de suas equipes, Patón, como também era chamado, conseguiu implementar uma mentalidade competitiva no São Paulo, que chegou até a semifinal da Copa Libertadores da América daquele ano e acabou deixando o Tricolor para treinar a seleção argentina.

Agora é a vez de Hernán Crespo mostrar a que veio. O argentino deve assumir o São Paulo somente após o fim da atual temporada. Restando quatro jogos, o Tricolor deve terminar o Campeonato Brasileiro com Marcos Vizolli à beira do campo, já que o novo treinador ainda precisa resolver uma série de questões pessoais, como mudança de país, procura por residência, entre outras coisas.

Gazeta Esportiva