A temporada 2020 começou embalada pelo sucesso de Jorge Jesus no ano anterior. Na esteira de tudo que o português fez pelo Flamengo, vieram apostas e mais apostas em treinadores de fora do Brasil.

Mas a ‘temporada dos estrangeiros’ se encaminha para o fim, com dois brasileiros disputando a liderança no jogo de hoje (20), às 21h30 (de Brasília), entre São Paulo e Internacional, no Morumbi. O duelo da 31ª rodada do Brasileirão coloca frente a frente dois técnicos em momentos diferentes na carreira e em situações opostas nos clubes. Em comum entre eles, apenas a nacionalidade.

Ainda não está nada definido. Abel Ferreira (Palmeiras) e Jorge Sampaoli (Atlético-MG) brigam para honrar o legado de Jesus e manter os treinadores de fora do país no topo. Mas nesta rodada, apenas os brasileiros podem chegar assumir, ou seguir, na liderança.

Diniz é um dos mais longevos do Brasil

Segundo técnico mais longevo da elite nacional — está à frente do time paulista desde setembro de 2019 —, atrás somente de Renato Gaúcho, Fernando Diniz conseguiu se sobressair na atual edição do Campeonato Brasileiro. Líder do torneio, com 57 pontos, o técnico superou momentos de instabilidade para levar o São Paulo à briga pelo título.

Depois de um início de campeonato com oscilações, o treinador chegou a ser pressionado e, por pouco, não deixou o Morumbi. Mesmo internamente, cogitaram tirá-lo do cargo — Diego Aguirre, Paulo Autuori, Rogério Ceni e Vagner Mancini foram cogitados para a sua função. À época, contudo, o executivo de futebol do Tricolor, Raí, decidiu mantê-lo na função.

Mesmo com a permanência no CT da Barra Funda, Diniz ouviu que seria necessário fazer alterações na forma de atuar e na escalação. O técnico apostou em nomes que não eram utilizados. Bruno Alves, Arboleda, Luan, Gabriel Sara, Igor Gomes e Brenner receberam chances na formação inicial.

A mudança tática permitiu que o São Paulo jogasse mais solto em campo e engatasse uma sequência positiva — foram mais de três meses de invencibilidade e 17 jogos sem perder. A série colocou a equipe na primeira posição do torneio nacional, com vantagem considerável sobre os adversários.

O bom trabalho de Fernando Diniz recebeu apoio na mudança de gestão — Julio Casares foi eleito presidente no lugar de Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco. O novo mandatário chegou a garanti-lo na função, independentemente do resultado na atual edição do Campeonato Brasileiro.

No último mês, o técnico vive novo período de instabilidade. Com problemas de desfalques e até internos — ele se envolveu em uma discussão com Tchê Tchê que repercutiu negativamente no CT da Barra Funda —, Fernando Diniz vê a liderança do Brasileiro ameaçada, sobretudo pelo Inter. O time gaúcho, rival de hoje, está um ponto atrás da equipe na tabela. O Tricolor paulista necessita de um triunfo em casa para evitar que o adversário assuma o topo da tabela, e Diniz volte a ser contestado nos bastidores.

UOL