O São Paulo fechou o ano de 2020 na liderança e vencendo pelo Campeonato Brasileiro, mas eliminado pelo Grêmio na Copa do Brasil no dia 30 de dezembro. Desde a queda diante do time de Renato Portaluppi, com o empate em 0 a 0 no Morumbi, a equipe treinada por Fernando Diniz perdeu dois jogos e empatou um nos três disputados desde o início de 2021, somando apenas um ponto em nove possíveis.

Mauro Cezar Pereira vê o Inter de Abel Braga chegando em uma situação mais confortável para enfrentar o São Paulo de Diniz no jogo de amanhã, no Morumbi, e acredita que o tricolor paulista sentiu a eliminação diante do Grêmio na Copa do Brasil, a quarta queda em uma temporada que teve anteriormente decepções no Campeonato Paulista, na Libertadores e na Copa Sul-Americana.

“Acho que o Abel está mais à vontade, porque está na recuperação e o Diniz está na pressão. Perdeu pontos e permitiu a aproximação de várias equipes, entre elas, o Internacional. O Abel não é um franco-atirador porque o Inter não é um clube para ser franco-atirador, mas está em uma situação muito mais à vontade, muito mais confortável, embora esteja atrás. A vantagem do Diniz é poder jogar para empatar e continuar na frente do Inter, mas aí pode permitir que o Atlético-MG ultrapasse, que o Flamengo ultrapasse lá na frente”, diz Mauro Cezar.

“É bom lembrar que o São Paulo chegou a essa situação jogando de uma determinada maneira, o problema é que quando o São Paulo perdeu para o Grêmio a classificação na Copa do Brasil, naquele empate sem gols no dia 30 de dezembro, o São Paulo eu acho que sentiu bastante e, dali para a frente, não jogou o que dele se esperava e, quando chegou ao Campeonato Brasileiro, o time teve uma sequência muito ruim, o time não se encontrou mais”, completa.

Mauro Cezar afirma que a postura do São Paulo no jogo contra o Athletico-PR, no domingo (17), em Curitiba, não parecia de um time que estava lutando pelo título, assim como o próprio time paranaense também não parecia estar tentando brigar por vaga na fase prévia da Libertadores. No caso do time são-paulino, o resultado faz com que o jogo com o Inter seja mais incômodo.

“Foi de fato um jogo muito estranho, parecia que os dois times podiam empatar, e nenhum dos dois podia empatar, o Athletico-PR ainda alimenta a expectativa, a possibilidade de chegar pelo menos a uma fase inicial de Libertadores, e precisava vencer, e o São Paulo, por razões óbvias, precisava buscar a vitória depois de uma sequência de duas derrotas e somando aí com o empate e com a eliminação na Copa do Brasil, foram três jogos seguidos que decepcionaram o torcedor”, afirma o jornalista.

“Acho que o Inter chega mais leve nesse jogo, embora atrás na pontuação. O Inter precisa vencer? Em tese, não, pode até empatar, continuar um ponto atrás do São Paulo, embolar tudo ali e vai lá na frente ver o que acontece. O São Paulo vai ser cobrado por um resultado positivo, porque se não consegui-lo, pode perder a liderança já já”, conclui.

UOL