O São Paulo é um grande celeiro de craques e referência na revelação de jogadores no futebol brasileiro. O clube, só para exemplificar, formou Rogério Ceni, Cafu, Rodrigo Caio, Éder Militão, Casemiro, Oscar, Kaká, Lucas Moura, Júlio Baptista, Denílson, Dodô, entre outros.

De uns tempos para cá a diretoria tricolor melhorou ainda mais a captação e administração das categorias de base em Cotia. Apesar de revelar jogadores a ‘rodo’, o São Paulo ainda encontra dificuldades manter atletas formados em casa no clube.

Um dos maiores exemplos é o atacante Lucas Piazón. Aos 26 anos, o jogador foi anunciado na última sexta-feira como novo reforço do Braga, de Portugal. Apesar de ter uma carreira internacional consolidada, ele não se constituiu no craque que todos esperavam.

Por isso, o Torcedores.com listou os pratas da casa mais badalados do São Paulo nos últimos anos que deram (ou não) resultados dentro de campo. A escalação das revelações, então ficaria, assim no 4-5-1: Richard; Auro, Bruno Uvini, Lucão e Matheus Reis; Eduardo Henrique, Lucas Evangelista, João Schmidt, Lucas Piazón e Lucas Fernandes; Ademilson. Confira!

Richard

Foi uma das revelações no gol que não teve chance alguma de se firmar no São Paulo. Ele, portanto, fracassou na missão de ser um possível substituto de Rogério Ceni. Após deixar o Morumbi, o arqueiro passou pelo Paulista-SP, Rio Claro-SP, Água Santa-SP e Paraná. Atualmente está no Ceará.

Auro

Surgiu como uma das maiores revelações para a lateral-direita do São Paulo. Ele, inclusive, chegou a ser chamado de ‘novo’ Cafu pela imprensa paulista. No entanto, o defensor disputou apenas 36 partidas entre 2014 e 2017. Atualmente é um dos principais jogadores em atividade na MLS. Auro é destaque do Toronto FC, do Canadá.

Bruno Uvini

Um dos jogadores mais badalados da sua geração, Bruno Uvini foi emprestado ao Tottenham em 2010. No retorno ao Morumbi, nunca se constituiu no grande zagueiro que todos esperavam. Posteriormente, jogou no Napoli, Siena, Santos e Twente. Atualmente é jogador do Al-Ittihad, da Arábia Saudita.

Lucão

Se destacou na base pela técnica, estatura, cabeceio, marcação forte e saída de bola. Porém, demorou um pouco até engrenar na equipe principal do São Paulo. Ao todo, foram 70 jogos e dois entre 2013 e 2017. No entanto, foi negociado com o Estoril, de Portugal, onde também não brilhou. Atualmente está no Goiás.

Matheus Reis

Lateral ágil, veloz e habilidoso. Sua maior virtude eram as subidas ao ataque. Porém, esses elementos não foram suficientes para torna-lo um jogador essencial para o São Paulo. Em 2017, foi emprestado ao Bahia para ganhar experiência. Posteriormente, defendeu o Moreirense e o Rio Ave. Foi contratado esta semana pelo Sporting.

Eduardo Henrique

Destacou-se na base do São Paulo por causa da técnica apurada, marcação eficaz, boa saída de bola e passes precisos. Ele, contudo, não teve oportunidades para atuar na equipe principal. Posteriormente, atuou no Atlético-MG, Internacional, Athletico Paranaense, Belenenses e Sporting. Eduardo atualmente é jogador do Crotone, da Itália.

João Schimdt

Foi campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior em 2010. Ao lado de Bruno Uvini, Casemiro e Lucas Moura, o meia fez parte de uma das melhores safras da história do clube. Em 2016, o volante disputou 32 partidas e fez dois gols. Posteriormente foi atuou pela Atalanta e Rio Ave. Está há duas temporadas no Nagoya Grampus, do Japão.

Lucas Evangelista

Revelado em 2013, ele recebeu poucas oportunidades para atuar na equipe principal. Após deixar o São Paulo, o meia construiu sua carreira atuando no futebol europeu. Nesse ínterim, atuou pela Udinese, Panathinaikos, Estoril, Nantes e Vitória de Guimarães. Em 2020, retornou ao futebol brasileiro para defender o Red Bull Bragantino.

Lucas Piazón

Apontado como o ‘novo’ Kaká, ele não chegou a atuar profissionalmente pelo São Paulo. Mas foi vendido por 7,5 milhões de euros (R$ 17,4 milhões, à época) ao Chelsea. Em Londres, contudo, não correspondeu às expectativas. Após rodar por Málaga, Vitesse, Eintracht Frankfurt, Reading, Fulham, Chievo e Rio Ave, Piazón foi contratado nesta semana pelo Braga.

Lucas Fernandes

Surgiu cercado de expectativa na base do São Paulo. O jogador encantou o técnico Eduardo Bauza pela velocidade, habilidade, dribles, controle de bola, bom passe e finalização precisa. Após subir para os profissionais, o meia sentiu o peso da camisa do Soberano e perdeu espaço com o argentino. Após deixar o Morumbi, Lucas acertou com o Portimonense, de Portugal.

Ademilson

Após se destacar pelo faro de gol na base, Ademilson foi promovido aos profissionais em 2012. Apesar de ter feito gols importantes com a camisa tricolor, ele nunca habitou os corações dos torcedores são-paulinos. Por isso, o atacante deixou o clube em 2015. Estava há cinco temporadas no Gamba Osaka, do Japão, onde tinha tratamento de ídolo até ser preso por dirigir embriagado e ter o contrato rescindido.

Torcedores.com