São Paulo volta a campo neste domingo (10) depois de uma rodada de meio de semana bem ruim, com vitórias de dois concorrentes (Grêmio Internacional), derrota pesada em Bragança Paulista e diminuição da vantagem na liderança do Campeonato Brasileiro. Tudo isso vai a campo contra o Santos, às 16h (de Brasília), no Morumbi, quando o Tricolor tentará a volta por cima e, quem sabe, aumentar a sua gordura na ponta.

Se a maioria do elenco não sabe o que é conquistar o Brasileirão, há alguém na dependências do centro de treinamento da Barra Funda que conhece como poucos o funcionamento dessa competição. Muricy Ramalho, o novo coordenador-técnico, tem experiência de sobra para ajudar o time a controlar a pressão e não deixar escapar um título que a torcida espera há mais de uma década. Até porque ele já viveu os dois lados da moeda.

Quatro vezes campeão nacional (três vezes pelo São Paulo e uma com o Fluminense), Muricy já levou troféus administrando vantagens grandes na tabela e também superando a gordura adquirida pelos adversários diretos. Também, é verdade, viveu a frustração de não erguer o título quando estava bem à frente de outros times, mas viu a sua equipe cair muito de produção na reta decisiva.

ESPN.com.br lembra abaixo quatro campanhas marcantes de Muricy, por São Paulo (2007 e 2008), Palmeiras (2009) e Fluminense (2010), que servem de exemplo, positivo e negativo, para o time do Morumbi. Os números são referentes à 28ª rodada, justamente o estágio em que o Tricolor, hoje, lidera o Brasileirão, com seis pontos acima do Inter e sete de Atlético-MG e Flamengo (que têm uma partida a menos).

2007

O São Paulo de 2007 talvez tenha sido a versão com mais cara de Muricy: letal na bola parada, com sistema defensivo quase instransponível e uma competitividade absurda em campo. Na 28ª rodada, aquele Tricolor já era líder do Brasileirão, 12 pontos à frente do Cruzeiro (63 a 51).

O título foi confirmado seis rodadas depois, com vitória por 3 a 0 sobre o América-RN, no Morumbi. A defesa, que sofreu 19 gols em 38 rodadas, é até hoje a melhor da história dos pontos corridos.

2008

Se levou o título com um pé nas costas em 2007, o São Paulo teve que “suar sangue” no ano seguinte. Para ser tricampeão consecutivo, o Tricolor precisou tirar uma diferença de 11 pontos para o Grêmio, hiato entre os clubes na 20ª rodada.

Mas, na 28ª, a diferença para o líder Palmeiras era menor, de quatro pontos (53 a 49). O Tricolor arrancou nas rodadas decisivas e confirmou a conquista no jogo final, vencendo o Goiás por 1 a 0, gol do atacante Borges.

2009

Muricy acabou demitido do Morumbi e assumiu o Palmeiras em julho de 2009, quando o Alviverde era vice-líder do campeonato. Na 28ª rodada, o Verdão já estava na ponta, com cinco pontos de vantagem sobre o vice-líder, o próprio São Paulo (54 a 49). Mas, diferentemente dos outros anos, o treinador não conseguiu levar o seu time à conquista.

Prejudicado por questões financeiras, problemas internos e até falta de um elenco mais qualificado, o Verdão caiu muito e conseguiu a façanha (negativa) de nem se classificar para a Conmebol Libertadores do ano seguinte. O título ficou para o Flamengo.

2010

A volta por cima de Muricy aconteceu na temporada seguinte, pelo Fluminense. Com o apoio financeiro da Unimed e estrelas do quilate de Belletti, Deco, Emerson Sheik, Fred e Conca no elenco, o treinador conquistou o título brasileiro na última partida, vencendo o Guarani por 1 a 0 no Rio de Janeiro.

Na 28ª rodada, o Tricolor estava um ponto acima do Cruzeiro (52 a 51), vantagem que conseguiu administrar e até aumentar para dois antes de erguer o caneco.

Agora novamente no São Paulo, Muricy é a voz da experiência para Fernando Diniz, Daniel Alves e companhia no assunto título brasileiro. O Tricolor não ergue o caneco nacional desde 2008 e não sabe o que é ser campeão há oito anos. A torcida sonha que a fila seja só uma questão de tempo. No caso, dez rodadas, que é o que o clube tem pela frente.

ESPN