Enquanto briga pelos títulos da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro, o São Paulo também tem desafios imensos fora de campo, como controlar a dívida que ficou ainda maior em 2019. Por isso, o clube buscou R$ 48 milhões em empréstimos para saldar compromissos financeiros no início da próxima temporada.

A informação é do jornalista da ESPN Jorge Nicola, em seu blog no portal “Yahoo”. Quem confirmou os números foi Elias Albarello, atual diretor financeiro na fase final da gestão de Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco, e que deixará o Morumbi daqui uma semana, quando começa a administração de Julio Casares.

Os R$ 48 milhões buscados pelo São Paulo foram discutidos dentro do Conselho Deliberativo e serão usados principalmente nos primeiros meses do ano. São oriundos de empréstimos bancários e também de antecipações de receitas de campeonatos que o clube disputará em 2021, como Paulistão e Brasileiro.

O nome do futuro diretor financeiro ainda não foi definido pelo presidente Julio Casares, que toma posse em 1º de janeiro. Por isso, o clube decidiu se antecipar para não ficar sem recursos, já que, de todo o montante, R$ 22 milhões precisam constar em caixa entre janeiro e fevereiro de 2021. Leco, inclusive, nem pode usar a soma.

Vale lembrar que o São Paulo já acertou o pagamento de férias e 13º de funcionários e jogadores, mas terá um grande aumento de contas a partir de março. Pelo acordo firmado entre a atual diretoria e o elenco, 50% da folha salarial de 2020 será paga a partir do terceiro mês do próximo ano. Isso acontece por causa da pandemia de COVID-19, que aumentou o rombo financeiro no Morumbi.

Segundo estimativa do próprio departamento financeiro do São Paulo, o impacto da pandemia bateu a casa dos R$ 200 milhões, com perdas de recursos em bilheteria, sócio-torcedor e também direitos de transmissão. O clube também foi eliminado na primeira fase da Conmebol Libertadores, o que impactou no balanço projetado.

Há poucos dias, os conselheiros do São Paulo aprovaram o orçamento do clube para 2021. A previsão é de R$ 460 milhões em receitas, além de R$ 37 milhões em investimentos e redução de R$ 91 milhões da dívida. Além disso, o Tricolor projeta R$ 176 milhões em vendas de jogadores.

ESPN