Um dos nomes inseridos na ação judicial que pede a recontagem de votos da Assembleia Geral de Sócios do São Paulo alega que foi incluído como autor do caso sem o seu consentimento. Ex-conselheiro do clube, Roberto Perrucci diz que não permitiu a inclusão de seu nome no processo que conta com outros quatro associados — Alberto Carlos Ferreira, Carlos Norberto Canata, Clóvis Gomes Botelho e Eduardo Minc.

A aparição de Perrucci se deu somente no processo inicial. Na sequência, o administrador de empresas foi retirado do pedido feito pelo grupo, que visa a recontagem dos votos no pleito que elegeu 100 novos membros do Conselho Deliberativo em 28 de novembro passado. Ele foi o responsável por solicitar aos advogados a exclusão de seu nome.

Em contato com o UOL Esporte por meio de mensagem telefônica, Perrucci alega que o seu nome foi inserido na ação sem autorização prévia. Questionado sobre o motivo, informou que a questão deveria ser feita a Guilherme Tadeu Sadi, um dos sócios do escritório de advocacia que defende o grupo de associados do São Paulo que pedem a recontagem de votos. Procurado, o jurista disse não ser o responsável pelo caso.

Quem se responsabiliza pelo caso é a advogada Carolina Dumont Defendi. O UOL Esporte não conseguiu contato com a jurista, mas a reportagem apurou que os documentos de Perrucci foram enviados ao escritório junto com os dos outros autores do processo e que, depois do contato do administrador de empresas com o grupo de advogados, o seu nome foi retirado.

Os autores da ação — Alberto Carlos Ferreira, Carlos Norberto Canata, Clóvis Gomes Botelho e Eduardo Minc — são ligados ao grupo político de Roberto Natel, candidato à presidência do São Paulo no pleito que ocorre amanhã (12). O seu concorrente ao cargo é Julio Casares.

UOL