Amigos Tricolores,

Há algumas semanas, a torcida ficou muito dividida sobre a opinião de Rogério Ceni ir para o Flamengo. Eu, como disse no meu artigo daquela semana, aqui no Blog (https://saopaulo.blog/2020/11/13/rogerio-ceni-traidor-ou-nao-por-felipe-morais/) não acho o Rogério Ceni um traidor, afinal, tudo o que ele fez pelo São Paulo não será esquecido porque ele. Ele resolveu aceitar uma proposta de trabalho para ganhar 3X mais de salário. Qualquer um de nós iria, mas o país da hipocrisia, é preciso que julguemos os outros por atitudes que teríamos igual, em outro momento.

Rogério como técnico? Promessa de Andres!

Julio Casares e Roberto Natel NUNCA prometeram o Rogério no São Paulo em 2021. A promessa veio de Andres Sanchez, que ao ser pressionado em um programa de TV sobre a péssima fase do seu time, jogou a bomba “queria trazer o Rogério Ceni, mas ele está acertado com o SPFC para 2021”.

Algo que o coordenador da campanha de Natel, Sr. Newton do Chapéu, esquece é que em 2016 Leco usou Rogério Ceni como cabo eleitoral, tendo Roberto Natel como um dos seus apoiadores, mas Newton quis “lacrar” dizendo que é falta de caráter usar o Rogério como cabo eleitoral tentando alfinetar Julio Casares, mas se esquecendo que a chapa que ele defende usou essa técnica. Mas coerência é algo que não combina com o Sr. Newton do Chapéu.

Rogério siga Muricy!

No artigo acima citado, o Sr. Antonio (Nene), fez um comentário que me deixou feliz e não poderia negar: “Faz um paralelo da caminhada do Muricy, hoje cultuado pelo torcedor do São Paulo e o que Rogério Ceni pode vir a ser como treinador do futuro no São Paulo”. Para mim, o Rogério está queimando etapas e isso pode ser prejudicial para a sua carreira como técnico.

Desde que ele se tornou técnico eu digo que ele tem um futuro brilhante pela frente. O cara é focado! Ele nasceu com a mente campeã necessária. É um obcecado pela vitória e sucesso.

Muricy, de aprendiz a multicampeão

Para quem não sabe, Muricy chegou ao São Paulo, como técnico em 1994, a pedido de Telê. Seu projeto era encerrar a carreira, em 1998, no São Paulo, mas para isso, gostaria de treinar uma pessoa para o seu lugar Muricy não veio de forma aleatória, Telê investigou cada opção que lhes deram e acreditou que Muricy era o mais indicado para a vaga. Muricy tinha parado de jogar em 1984 e largado o futebol até 1993, período em que ele administrou uma Farmácia no bairro do Morumbi. Tinha tido uma rápida experiência como técnico do Puebla, time mexicano que Muricy jogou por 6 anos.

Mesmo com o título de 1994, com o Expressinho, do qual Rogério Ceni era um dos destaques do time, Muricy estava sendo preparado, porém, a doença do mestre o fez parar em Janeiro de 1996 e não em Dezembro de 1998 como ele havia planejado. Muricy foi colocado na fogueira, inexperiente, não deu certo. Muricy foi um craque, sempre conheceu muito de futebol e sempre foi obcecado pela vitória. Isso ele se parece em muito com Rogério, talvez, por isso, ambos sejam amigos até hoje.

Rodagem

Muricy ja falou em alguns programas, com todo o respeito a Rogério Ceni, que ele precisa de mais rodagem, mais experiência dentro do vestiário. Em 1997, Parreira foi demitido, Muricy reassumiu o São Paulo, mas de novo, não conseguiu implantar a sua filosofia de vida. Foi demitido.

Muricy então passou por times de menor expressão. Rogério saiu do São Paulo e foi para o Fortaleza, que não tem a pressão do São Paulo, e hoje, o Fortaleza está em um nível bem acima de muitos times, tidos como grandes, como Vasco, Botafogo, Cruzeiro muito por causa de Rogério Ceni. Muricy passou por Guarani, Ituano, Náutico, Santa Cruz e Figueirense entre 1997 e 2002. Isso deu a rodagem necessária para ele.

Muricy enfrentou muitos problemas isso dá uma outra vivencia ao técnico. Muricy transformou a vida do Náutico, como Rogério fez com o Fortaleza. Cerca de 6 anos depois e com passagens por times menores, e até na China, é que Muricy teve a sua primeira chance em um grande time, depois da sua saída do São Paulo, veio, em 2003, o Internacional, onde ele ganhou o Campeonato Gaúcho daquele ano.

Rogério foi para o Cruzeiro com menos de 4 anos de experiência, com passagens pelo São Paulo, por 5 meses e pelo Fortaleza. Ele fez, sem dúvida um grande trabalho no Fortaleza, isso é inegável, entretanto, foi apenas ali.

Precisava ter ido para outros times, mas do mesmo nível que o Fortaleza, de regiões do país com menos expressão no cenário nacional, fugindo de Rio de Janeiro. São Paulo, Minas ou Rio Grande do Sul, ou se, fosse nesses lugares, treinando times menores, como por exemplo, em 2004, Muricy treinou o São Caetano dando ao time seu primeiro título de Campeão Paulista, mas Rogério quis ir para o Cruzeiro, time grande, mas em uma situação muito complicada.

Entender a rejeição

Rogério é um cara muito inteligente e não baixa a cabeça para ninguém. Ele tem personalidade, como Muricy tinha também, mas Muricy não tinha uma identificação com o São Paulo tal qual Rogério tem.

Por mais que Muricy tenha dado o Tri- Brasileiro e nunca tenha escondido seu amor pelo São Paulo, ele não virou treinador de jogadores que ele enfrentou na carreira. Rogério sim. E o que ocorre em campo, não fica em campo. Foi para o Cruzeiro e foi derrubado por Thiago Neves e Fred, a quem ele enfrentou inúmeras vezes.

Flamengo

O time de maior torcida do país, a pressão é enorme. Rogério tem seu nome ligado ao São Paulo. Já começou sendo eliminado pelo São Paulo por 5X1, nos 2 jogos. Conseguiu uma vitória contra o fraco Coritiba, mas é pouco para uma torcida que viu o Flamengo de Jesus ganhar quase tudo.

Eu digo e repito, Rogério Ceni, em breve será o melhor técnico do Brasil e não me surpreenderá vermos Rogério Ceni como técnico da seleção em 2024, em uma Copa do Mundo, mas por hora, ele ainda precisa de outros “Fortalezas” em sua vida, está dando o passo maior que a perna, de novo.

E em tempo, o próprio Muricy Ramalho disse isso quando Rogério foi para o Cruzeiro. Estou apenas reforçando a tese de Muricy, que apoio!