“Eu gosto de olhar e dar oportunidade para jogadores da base, mas eles precisam de tempo. Eu gosto de subir os jogadores da base para eu prepará-los, para eu ajudá-los e assim eles possam depois ajudar a equipe. Acho que um erro comum é pegar um jogador que está se destacando na base e trazer pra ele resolver o problema do time.

É um ou outro que consegue se destacar nessa situação, alguém que está sobrando muito na base e consegue se encaixar no profissional de maneira imediata. A grande maioria precisa de tempo e bom acolhimento, para se sentir à vontade, se preparar, para aí sim ajudar a equipe. No São Paulo aconteceu muito isso.

O Diego, o Sara, o próprio Luan… Eles foram amadurecendo e agora conseguem ajudar o São Paulo da maneira que a equipe precisa”

UOL