Contra o Flamengo, no Morumbi, o São Paulo teve de abrir mão muitas vezes de seu estilo de jogar, optando por chutões para evitar o risco de um erro na saída de bola. Além disso, o time se manteve compacto na transição defensiva ao longo dos 90 minutos, não dando brechas para o adversário infiltrar no espaço vazio. A vitória veio e, de quebra, a sequência de oito jogos consecutivos sofrendo gols foi interrompida.

“Teve hora que marcamos com dez caras em dez metros no campo hoje. Se o Brenner, Luciano, Igor Gomes e Gabriel Sara não ajudam na marcação, teremos um sistema defensivo ruim. Às vezes, a falha nem tem a ver com os zagueiros e o goleiro, que são sempre os mais cobrados”, prosseguiu o comandante são-paulino.

“O plano de hoje não era jogar da maneira que jogamos no primeiro tempo, mas o time não encaixou a saída de bola e deixei os caras se acomodarem dessa maneira para poder fazer ajustes no intervalo. O time voltou diferente por causa disso”, concluiu.

Gazeta Esportiva