Em entrevista ao Globo Esporte, Léo contou passagens engraçadas da sua vida e também bem tristes, veja:

Pelé e “Filho”

“Joguei no time do Pelé. A gente estava em uma sala, todo mundo na expectativa do Pelé ir. Eu estava feliz, eu ia ver o Pelé, uma referência mundial. Eu fiquei em pé, a galera sentada e eu fiquei envergonhado. Ai passou os minutos e quem entra? O Rei. Ele olhou para mim, olhou para a galera e só de olhar todo mundo riu. E ele: “Não é possível, cara. Esse menino é meu filho”

Preconceito

“Eu estava fugindo disso, mas eu tenho que falar. Hoje está muito nítido… Eu passei por um preconceito que partiu meu coração. Ali eu pensei em desistir. Foi a primeira vez que pensei: “Não dá mais para mim”. Eu não aceito o racismo nunca, nunca vou aceitar isso. Eu entrei em um shopping e eu fui mandado embora por causa da minha cor. Isso não existe. O cara falou: “Você está aqui pedindo dinheiro?” E começou a me ofender. Eu era um menino, cara. Como ele ia me expulsar de um shopping? Eu saí dalí, de dentro do shopping e me perguntei o que estava fazendo ali”

Luta

“Eu mostro minha indignação, porque eu sou negro, tenho que defender aquilo que eu sou. Eu tenho orgulho de ser negro e pronto. Se você pegar o presidente (dos EUA) foi exemplo, e negro. O melhor jogador de todos os tempos é negro. Os caras do basquete são negros. E por que o negro não pode vencer na vida? Por que o negro é nojento? Quem deveria ser exemplo para muitas pessoas e essas pessoas não valorizam por causa da cor. Isso é uma vergonha para mim”

Blog do São Paulo