Dias após ser eliminado da Libertadores de forma antecipada com a derrota para o River Plate, na Argentina, o São Paulo voltou a decepcionar seus torcedores no empate com o Coritiba pelo Campeonato Brasileiro, perdendo algumas posições e com o trabalho do técnico Fernando Diniz colocado em cheque, embora ele permaneça no cargo.

Mauro Cezar Pereira analisa a situação de Diniz no São Paulo como decepcionante, vê a necessidade de o treinador repensar e identificar os erros em seu trabalho, com muita posse de bola, mas que fica devendo na criação e nos gols.

“Acho que foi a confirmação de que o Fernando Diniz, vou usar uma expressão que um amigo meu utilizou outro dia numa conversa, ele disse, o Fernando Diniz e os seus times parecem gostar mais da bola do que do gol. Ou seja, tem posse de bola, quer tê-la, passa a sua proposta de jogo justamente pela posse da bola, mas não sabe como colocá-la dentro do gol. Esse é um dos sérios problemas dos times dele e continua”, diz Mauro Cezar.

“No São Paulo ele encontrou material humano melhor do que o do Fluminense, melhor do que o do Athletico, onde teve a oportunidade, foi bancado pela diretoria ou parte da diretoria, embora uma outra ala já queira vê-lo longe do São Paulo há muito tempo. Mas está sendo bancado até agora pela diretoria de futebol e o futebol do São Paulo continua deixando muito a desejar”, completa.

O fato de o time não conseguir se impor diante do Coritiba, que ocupa a zona de rebaixamento e vinha de uma goleada por 4 a 0 para o Fluminense torna pior ainda a situação do treinador, que já viu seu time ser eliminado pelo Mirassol no Campeonato Paulista, além de cair na Libertadores depois de ter perdido para o Binacional, do Peru.

“O São Paulo não consegue se impor mesmo diante de um Coritiba tão fragilizado, jogando fora, mas sem torcida, ou seja, é uma condição favorável, e precisando de um resultado e de uma boa atuação, não só o resultado, depois do que aconteceu no meio de semana, que foi a matemática eliminação da Libertadores, o único time brasileiro fora o Corinthians, que já caiu antes, que foi eliminado da Libertadores, nessa etapa”, diz Mauro.

“O Fernando Diniz amanhã, se ele não estiver no São Paulo, ele vai repensar sua carreira, acho que nessa ideia de estudar futebol eu acho que esse é o grande ponto, ele precisa identificar os seus problemas e corrigi-los urgentemente enquanto não começar um outro trabalho, no São Paulo é muito difícil, está no meio de um processo, de um trabalho desgastado já, que a coisa não anda, é muito difícil retomar e conseguir fazer a coisa andar. Agora, ele precisa perceber isso”, completa.

Além da crítica ao trabalho do treinador, Mauro Cezar também afirma que não se pode eximir a diretoria do São Paulo pelos fracassos acumulados, citando o executivo de futebol Raí e o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

“Onde ele está errando? Ele precisa identificar isso. Eu acho que não vai ser no São Paulo, no São Paulo é muito difícil que se corrija isso, mas não se pode ignorar os chefes do Fernando Diniz, trabalho muito ruim do Raí e o Leco também não é um bom presidente, todo mundo sabe disso”, conclui.

UOL