O técnico Fernando Diniz vem promovendo mudanças no São Paulo desde a retomada das competições após a pausa por causa da pandemia do novo coronavírus. Sem o mesmo desempenho de antes, o Tricolor vem sofrendo fortes críticas da torcida, o que forçou o treinador a decidir tirar as estrelas do elenco da zona de conforto.

Antes da pandemia, nomes tarimbados, como Juanfran e Alexandre Pato eram titulares inquestionáveis. Entretanto, a má fase da equipe evidenciou a necessidade de o São Paulo ser escalado por mérito, não por nome.

Desta forma, Alexandre Pato foi o primeiro a ser escanteado pela comissão técnica. Desde o início do Campeonato Brasileiro, peças mais modestas do plantel, como Paulinho Boia, Gonzalo Carneiro e Gabriel Sara receberam oportunidades de Fernando Diniz, mas o camisa 7 permaneceu no banco de reservas, sem qualquer perspectiva de entrar em campo.

De titular a última opção no banco de reservas, Pato acabou rescindindo o contrato com o São Paulo nesta última semana. Diretoria e comissão técnica acreditavam que faltava mais entrega por parte do jogador, que em sua terceira passagem não conseguiu corresponder às expectativas.

Mais recentemente foi a vez de Juanfran perder seu lugar cativo na equipe titular. O renomado lateral espanhol, ídolo do Atlético de Madrid, foi desbancado por Igor Vinícius na última rodada, contra o Bahia, no Morumbi, depois de atuações apagadas, principalmente contra o Mirassol, em que acabou apontado como culpado em um dos gols do time rival que causaram a eliminação do Tricolor nas quartas de final do Campeonato Paulista.

Hernanes foi outra estrela que caiu no ostracismo sob o comando de Fernando Diniz. Depois de perder a vaga de titular da equipe para Igor Gomes, o Profeta sequer vinha sendo acionado com regularidade e chegou a se questionar sobre sua utilidade no São Paulo. Nesta última semana, após uma conversa com a diretoria, decidiu permanecer no clube, mas ainda espera uma nova chance.

O único grande nome que o São Paulo tem à disposição que ainda tem muitos pontos com Fernando Diniz é Daniel Alves. Apesar de toda oscilação do time, o camisa 10 é visto como líder, em todos os sentidos, além de agregar consideravelmente à equipe na parte técnica. A ver até quando essa será essa a avaliação de quem vem comandando o Tricolor.

Gazeta Esportiva