Clima tenso e acusações entre os candidatos

Segundo apuração da Gazeta Esportiva, os lados envolvidos na votação não veem com bons olhos os adversários, apesar do clima sempre cordial em público. Internamente, os apoiadores de Marco Aurélio Cunha enxergam Natel como “sem estofo”, alguém que já não tem muito mais o que agregar. Por isso, entendem que ele não é o nome ideal para a presidência do São Paulo.

Por outro lado, os apoiadores de Natel dizem que Cunha é um “paraquedista”. O motivo é que, das últimas 19 reuniões do Conselho, MAC apareceu em apenas quatro, sendo que em duas ocasiões o encontro era para votação.

Marco Aurélio Cunha se defendeu, dizendo que possui “justificativa profissional” por seu antigo cargo na CBF. Ele foi Coordenador das Seleções Brasileiras Femininas durante cinco anos e deixou o posto no início do último mês de junho.

“Vários não puderam comparecer, não fui só eu. Faz cinco anos que estou na CBF. As reuniões normalmente eram marcadas às terças-feiras e eu estava viajando ou acompanhando a seleção feminina. Ou seja, tenho uma justificativa profissional. Porque eles não questionam o motivo de eu ter largado toda essa estabilidade na CBF para vir salvar o São Paulo (em 2016)?”, questionou.

Gazeta Esportiva