Zubizarreta, Ferrer, Koeman, Guardiola e Euzébio; Bakero, Amor, Witschge e Beguiristiain; Stoichkov e Laudrup. Esse foi o poderoso time do Barcelona que entrou em campo para enfrentar o São Paulo na final do Mundial de Clubes de 1992. O resultado, os torcedores do Tricolor não esquecem: 2 a 1 e primeiro título intercontinental para a galeria do Morumbi.

Após a partida, o treinador e ídolo do Barcelona Johan Cruyff não poupou elogios ao São Paulo. O comandante dos espanhóis, que ficou marcado na história por um dos grandes defensores do futebol vistoso e ofensivo, reconheceu o mérito dos brasileiros.

“Na Holanda, costumamos dizer que, se você vai ser atropelado por um carro, é melhor que seja por uma Ferrari”, afirmou Cruyff.

O Barcelona saiu na frente com um golaço de Stoichkov em chute de fora da área. Ainda no primeiro tempo, Muller fez bela jogada pela esquerda e cruzou para Raí desviar com a barriga para as redes. Na segunda etapa, o camisa 10 do Tricolor marcou um antológico gol de falta e garantiu o título para o São Paulo.

Gazeta Esportiva