A paralisação por conta do coronavírus atrapalhou o planejamento de todos os times no Brasil, porém foi sentida de maneira especial no São Paulo. Os comandados de Fernando Diniz iniciaram 2020 apresentando um futebol irregular, porém cresceram de rendimento e vivam ótima fase no momento da suspensão das partidas.

O cancelamento de jogos e treinamentos impediu que Diniz desse continuidade ao trabalho que vinha realizando, comprometendo a busca por um objetivo traçado em dezembro 2019. Depois de perder por 3 a 0 para o Grêmio, pelo Brasileirão, o técnico garantiu que, em agosto deste ano, a equipe estaria apresentando um desempenho superior ao time que havia comandado anteriormente.

“Eu acho que o São Paulo tem a minha cara em muitos jogos, se você relativizar o tempo em que estou no São Paulo. Se eu ficar aqui oito meses, é um time que vai jogar melhor do que o Fluminense no sentido tático, isso é seguro”, disse o treinador na ocasião.

Para compensar os três meses perdidos por conta da paralisação, Diniz levou o elenco ao CFA de Cotia, para que as sessões de treinamento pudessem ser mais intensas e os jogadores se recuperassem mais rapidamente, já que têm toda a estrutura do complexo das categorias de base à disposição por 24 horas.

Até o momento, o São Paulo já disputou doze partidas em 2020, sendo dez pelo Campeonato Paulista e duas pela Libertadores. O Tricolor ocupa a liderança do grupo C do estadual, com 18 pontos, enquanto é o segundo colocado da chave D do torneio continental, com três pontos.

O Tricolor voltará a campo após o fim da paralisação para enfrentar o Red Bull Bragantino, em casa, pelo Paulistão. A partida ainda não tem dada e horário definidos. No entanto, o Governo do Estado de São Paulo autorizou que a competição reinicie no dia 22 de julho.

Gazeta Esportiva