Amigos Tricolores,

Calma, que esse artigo não tem a menor intenção de comparar os dois técnicos, até porque, não tem nem por onde começar, talvez, na década de 90, se Telê realmente tivesse se aposentado, como era a sua ideia, após a demissão do Palmeiras, Luxa teria sido o melhor técnico daquela década no Brasil, mas graças a insistência do grande Carlos Caboclo, amigo do Telê Santana, o mestre foi convencido a assumir o comando do São Paulo. A história você sabe bem como foi, mas caso queria saber mais, o livro “Ao Mestre com Carinho. O SPFC da era Telê”, da Editora Inova, poderá contar muito mais para você.

São Paulo e Palmeiras dominaram a década de 90. Entre 1990 e 1994, o São Paulo dominou, depois, a Parmalat veio com muito mais dinheiro e o Palmeiras foi soberano entre 1995 e 1997, quando abriu espaço para o Corinthians. O futebol tem esses ciclos, onde há sempre um time por cima. A nossa esperança, para agora, é que com os problemas dentro dos rivais e com a ascensão que o São Paulo mostrava antes da Pandemia, que 2020 seria o nosso ano da volta por cima. Temos técnico, elenco e um time. Se engrenar, a coisa ficará séria. E parece, ao menos antes da Pandemia, que tinha engrenado de vez.

A briga era boa

Luxemburgo afirmou uma vez, que adorava jogar contra o São Paulo de Telê, pois sabia que o desafio era enorme. Primeiro, porque o time era muito bom tecnicamente, segundo porque era muito bem armado pelo mestre; por outro lado, Telê também gostava do confronto pelos mesmos motivos.

Era um enorme prazer ver em campo Zetti, Raí, Muller, Cerezo de um lado, versus Roberto Carlos, Evair, Edmundo e César Sampaio de outro. Amantes do futebol é quem mais ganhavam com essa disputa.

Quando o São Paulo venceu o Paulistão de 1992, com maestria, o Palmeiras já era Parmalat, mas o técnico era Otacílio Gonçalves. Luxa chegou em 1993 ao Palmeiras. Telê, em 1992 já era o vencedor de Brasileiro (1991), Libertadores e Mundial (1992). Aquele ano, 1992 foi mágico, o São Paulo, em um domingo goleou o Palmeiras por 4X2, no sábado seguinte, venceu o Barcelona por 2X1, e no domingo seguinte, um 2X1 no Palmeiras deixou o Paulistão no Morumbi.

Os times se enfrentaram, com os 2 técnicos no comando, entre 1993 e 1995. No final de 1995, Luxemburgo saiu do Palmeiras rumo ao Flamengo. No inicio de 1996, Telê saiu do São Paulo, rumo ao lugar de Luxemburgo mas infelizmente a isquemia do mestre, que já afetava seu trabalho no comando tricolor, não deixou que ele tivesse sequencia no comando do Palmeiras.

Libertadores

Em 1994, as equipes disputaram as Oitavas de final da Libertadores. Em 27 de Abril, o jogo foi 0X0 graças a Zetti que fez milagres debaixo das traves tricolores. Depois da Copa do Mundo daquele ano, a competição voltou e o São Paulo venceu por 2X1, eliminando o rival. Naquele ano, o São Paulo tentava o tri da Libertadores, chegou a final, mas perdeu para o Vélez Sarsfield da Argentina.

Sem disputa de títulos

Infelizmente, os times, no comando de Telê e Luxa, nunca disputaram uma final, sendo esse jogo da Libertadores, o mais importante disputado entre os dois técnicos. Em 1993, o Palmeiras seria o campeão Paulista, depois de 17 anos, titulo conquistado em cima do Corinthians. O São Paulo, naquele ano ficaria com o bi da Libertadores e Mundial. O Palmeiras levaria também os Brasileiros de 1993 e 1994.

Em 1994, o São Paulo de Telê começava a perder a hegemonia do futebol. Naquele ano, não venceu nenhuma das competições mais fortes, tendo como destaque apenas a Commenbol, onde além do título, dava esperanças de dias melhores com o surgimento de talentos como Rogério Ceni, Bordon, Catê, Caio Ribeiro, Denilson e o técnico Muricy Ramalho. Foi nesse ano a clássica briga de Edmundo, pelo Palmeiras, contra o São Paulo, um jogo que acabou 2X2, mas até hoje gera polêmica.

Saudades daquela época

São Paulo e Palmeiras, era o grande clássico da cidade de São Paulo na época. O Corinthians, começou a década com o seu primeiro título Brasileiro, mas foi ofuscado pelo timáço que Telê montou e pelos milhares de dólares que a Parmalat jogou no Palmeiras. Eram grandes confrontos, de dois técnicos que muito conheciam de futebol. Não há dúvida de que, ambos, naquele momento eram os melhores do país, até porque, Telê era o melhor do mundo!

Luxemburgo era mais estrategista que Telê, esse nunca se colocou como sendo um cara de estratégia de jogo, porém, Telê sabia extrair ao máximo de seus jogadores, sabia posicionar em campo melhor. Era literalmente um jogo ganho no detalhe, somado ao talento de quem estava em campo. Eram grandes jogos, que eu, sinceramente, tenho muitas saudades daquela época. Era bom demais ver Edmundo, Evair, Cesar Sampaio, Antonio Carlos, Roberto Carlos, Alemão, André Luiz, Zetti, Muller, Leonardo, Palhinha em campo. Hoje é um festival de Dudu, Bruno Henrique, Marcos Rocha, Felipe Melo, Diogo Barbosa, Lucas Lima, Helinho, Toró, Pablo, Carneiro, Anderson Martins, Reinaldo, Leo Pelé, Pablo…

FELIPE MORAIS
Diretor da FM Consultoria em Planejamento

Autor dos Livros: 
Planejamento Estratégico Digital (Ed. Saraiva Uni 
Ao Mestre com carinho, O SPFC da Era Telê (Ed. Inova)
Transformação Digital, Como a inovação digital pode ajudar seu negócio nos próximos anos (Ed. Saraiva Uni)

facebook.com/plannerfelipe
@plannerfelipe
linkedin.com/in/plannerfelipeSkype: plannerfelipe