Multicampeão com o São Paulo no início dos anos 90, Cafu não teve dúvidas ao escolher quem é melhor entre o time comandado por Telê Santana e o atual Flamengo de Jorge Jesus, campeão brasileiro e da Libertadores de 2019.

“O São Paulo de Telê”, cravou o ex-lateral em entrevista exclusiva à Goal.

“Aquele time foi bicampeão da Libertadores, bicampeão mundial, campeão brasileiro, campeão regional. Aquele time encantava não só nacionalmente como internacionalmente também. Foi um período bacana que nós vivemos, quando o futebol brasileiro passou a ser respeitado mundialmente graças àquele São Paulo”.

Cafu, porém, elogiou o trabalho de Jesus e diz acreditar que, assim como o time que marcou o início dos anos 90 ficou na história, o time de Jorge Jesus também pode.

“O Flamengo hoje vem na mesma pegada. É um time que realmente joga como nós jogávamos alguns anos atrás e se continuar mantendo esse ritmo vai ser, sim, uma das maiores referências do futebol brasileiro”.

Jorge Jesus pode estar perto do adeus ao Flamengo. Ele tem sondagens do Benfica e pode deixar o Rubro-negro após o término do Campeonato Carioca.

O capitão do penta mundial em 2002 também falou sobre o legado deixado na seleção brasileira por ele e Dani Alves, seu sucessor na posição.

“O que eu fiz na seleção brasileira e no futebol mundial ficou marcado e vai ficar marcado pra sempre. O que o Daniel fez ficou marcado e vai ficar marcado pra sempre, tanto na seleção quanto nos clubes”, afirmou.

“Essas próximas gerações de laterais terão que correr e jogar muito para que possam fazer aquilo que eu fiz e o que o Daniel fez em relação a conquista de títulos não só nacionalmente, mas também internacionalmente”.

Cafu se aposentou em 2008 e, de lá pra cá, o futebol evoluiu e mudou muito. Ele analisou essas transformações e escolheu quem, em sua opinião, é o melhor do mundo na atualidade.

“Atualmente, o melhor lateral do mundo é o Dani Alves, mas mudou [a posição] muito desde a minha época. Antes o lateral atacava, defendia, marcava o meia, fazia cobertura do zagueiro e ainda tinha que chegar na linha de fundo pra cruzar e, às vezes, até fazer gol. Hoje em dia modernizou muito. Eles jogam como alas, então praticamente eliminou-se algumas funções devido ao esquema tático de alguns treinadores. Eles acabaram modernizando muito os laterais”.

O ex-lateral é um dos poucos jogadores que pode se orgulhar de ter disputado quatro Copas do Mundo. Com três finais consecutivas e dois títulos (ele venceu também em 1994), Cafu agora é embaixador da Copa do Mundo do Qatar de 2022. Por coincidência, a data marca os 20 anos do penta e o capitão daquela conquista não deixou de opinar sobre o trabalho de Tite.

“Ele é o treinador hoje e nós temos que respeitar todo o momento em que ele estiver no cargo. Eu espero que ele possa levar a seleção para mais uma Copa do Mundo sem que a gente sofra, sem ter que classificar no último jogo”, concluiu.

OneFootball