Amigos Tricolores,

Na semana passada rodou em alguns grupos de WhatsApp, Facebook no Twitter uma enquete de quem tinha sido mais ídolo no tricolor. A briga aqui é muito boa e em alto nível. Falo por mim, mas acredito que quem viu os 2 jogar, tem a sua preferência. Independente de quem seja mais ídolo do que o outro, é preciso entender que ambos tem enorme importância na história do São Paulo, basta dizer que se pegarmos a sigla 6-3-3, que representa nossos principais títulos, eles não estavam apenas em 2 Brasileiros (1977 e 1986), mas de resto, lá estavam eles, e em suas épocas, como protagonistas, que fique claro.

Tem muito jogador meia boca que tem título de campeão do mundo, não jogou nem 1 minuto o torneio, mas fica gritando aos 4 cantos que tem o título, um deles, o mais famoso, graças a Deus nunca jogou no São Paulo, só é lembrado que esteve em uma Copa do Mundo, em que o Brasil se sagrou campeão, porque desrespeitou o presidente da república ao descer dando cambalhota a rampa do planalto central, mas esse tonto, deixemos de lado.

Raí

No Brasileiro de 1991 ele não fez o gol da vitória, mas foi fundamental para a campanha inteira, sendo um dos principais jogadores do São Paulo naquele campeonato, já em 1992, ele “só” fez todos os gols dos títulos, sendo o gol contra o Newell’s Old Boys e os gols contra o Barcelona. E de quebra, nos 6 gols contra o Palmeiras, na final do Paulistão, ele fez 3. Acho que está bom para um ano, né? Em 1993, na Libertadores, fez um dos gols, e que golaço de peito, mas no mundial, não esteve presente, coube a Leonardo substituir com maestria o genial Rai!

Rogério Ceni

Em 1993, foi o único título – dentre o 6-3-3 – que ambos estiveram juntos, mas Rogerio, nesse era reserva de Zetti, ganhou, mas não jogou, o que nesse caso é compreensível, pois Zetti era um monstro debaixo das traves. No tri-campeonato nacional, Rogério era capitão, fez gol e comandou o São Paulo. Protagonista ao lado de Muricy, sem dúvida! Na Libertadores, foi fundamental com gols, defesas e pegando penaltis nas disputas. No Mundial, não precisa nem comentar, foram, pelo menos 5 defesas quase impossíveis de serem realizadas, mas ele as fez!

Ídolos tem foto na parede do CT

Em outros artigos eu escrevi sobre isso. Você pode até achar um ou outro jogador um craque, mas para ser ídolo em um time grande é preciso ter foto na parede do CT, ou seja, estar em pôster oficial de competições. E de preferência como protagonista. E ai até poderia voltar ao debate sobre o Danilo, mas deixa para lá, para mim ele é ídolo e fim de papo. Raí e Rogério tem muitas fotos no CT. Em uma delas, emblemática, de 1998, quando Rogério já era titular do São Paulo e Raí voltou apenas para a final contra o Corinthians. E que time tínhamos naquela época, Márcio Santos, Serginho, Dodô, França, Denilson. Timáço sem a menor sombra de dúvida, chegamos com méritos a final e Raí foi apenas a “cereja do bolo” para abrilhantar ainda mais aquele título, que ficou marcado mais pelo lado emocional, com a sua volta, do que pelo título mesmo, sem desmerecer o Paulistão, claro.

Ok, mas quem é mais ídolo?

Para mim, essa resposta é fácil: Raí!
Não posso ir contra a coerência. Quem me acompanha aqui no blog sabe que o maior ídolo que eu tenho no São Paulo é ele. Independentemente se ele é ou não um bom gestor, eu consigo separar o Raí diretor do Raí, monstro do Morumbi! Eu vi a dupla Raí-Telê levantar grandes títulos, não à toa, escrevi o livro sobre essa época, pois foi, para mim, a época mágica do São Paulo, a gente sempre sabia que o tricolor ia ganhar, só não sabia de quanto. Era uma época que o São Paulo impunha respeito em qualquer time do mundo, ou você acha que qualquer time vai para Madrid e Barcelona e enfia 4 gols no Real Madrid e no Barcelona facilmente? Amistoso ou não, é jogo! E como os jogadores sempre dizem, amistoso é só até o juiz apitar, em campo, todos querem vencer!

Mas e Rogério?

Raí ser mais ídolo não desmerece a importância do M1TO. Aqui é apenas uma opinião, e quero ouvir a sua, pois com certeza, muita gente que lê esse blog viu mais o Rogério em campo do que o Raí, natural, que escolha Rogério, outros, avaliam os números, e Rogério tem melhores que Raí, até mais gols que o ex-camisa 10 no São Paulo, Rogério tem.

O que podemos concluir com tudo isso é que nós, São Paulinos, tivemos a honra e o prazer de ver esses caras com a camisa do São Paulo, e eles retribuíram levantando taças, liderando times para a vitória e, principalmente, honrando o manto tricolor. Até hoje o carinho e respeito deles com, nós torcedores, com a camisa, com o Morumbi e com a história do São Paulo permanece, basta ver as entrevistas que dão.

Um pode até ser um pouco mais ídolo, na preferência de cada um, isso é gosto e esse assunto não se discute, mas uma coisa é inquestionável, se fizer uma lista dos 10 maiores ídolos do tricolor, eles estarão nela. Sempre!

Felipe Morais