Entrevista com Márcio Aguiar, preparador de goleiros da base do São Paulo Futebol Clube

Márcio Augusto dos Santos Aguiar nasceu no dia 20 de dezembro de 1981 na cidade de São Paulo. Fostes jogador profissional de equipes como Grêmio e Beira-Mar, de Portugal. Atualmente trabalha como preparador de goleiros da base do tricolor paulista

1- Fostes revelado pelo São Paulo FC. Como analisas o período em que aprendeu com grandes goleiros como Rogério Ceni? Como avalias o trabalho dele como treinador? Como foi participar do Mundial sub-20 em 2001? Atualmente é treinador de goleiros da base do tricolor paulista, quais as diferenças de ensinar e ser ensinado? A responsabilidade de performance deles recai sobre você? Como foi ter a experiência de ter jogado algumas partidas pelo profissional do São Paulo?

R: Foi um período muito importante na minha vida, onde aprendi muita coisa com essas pessoas, não só como jogador, todavia como cidadão. Com certeza Rogério Ceni será um dos melhores treinadores do Brasil, é um cara muito inteligente e talentoso, e onde ele entra é para ser o melhor. Experiência única, uma das melhores seleções de base que eu já vi, infelizmente não fomos campeões do mundo, mas anteriormente levamos o sul-americano. Passar a experiência que eu tive para esses meninos é algo muito gratificante, você ver a evolução deles diariamente não tem preço, é algo que estou gostando muito e quero seguir com essa nova carreira de ensinar os goleiros. Vestir a camisa do São Paulo Futebol Clube durante 12 anos (8 na base e 4 no profissional) é maravilhoso até por causa que sempre fui são Paulino e hoje poder voltar ao clube onde cresci é muito positivo.

2- Passou pelo Paulista de Jundiaí-SP, Grêmio, Paysandu e Ituano. Como analisas as passagens por estas equipes? Como foi ser responsável de substituir o arqueiro histórico do tricolor gaúcho Danrlei que foi para o Fluminense? Por quais motivos, o Papão não conseguiu ter uma boa Série B em 2006, já que ele tinha vindo de uma primeira divisão no ano anterior? Como analisas a evolução do Ituano no cenário nacional e estadual?

R: Paulista foi onde eu apareci para o cenário do futebol brasileiro, fomos vice-campeões paulista e do time fui para o Grêmio onde fiquei por dois anos sou muito grato a Deus por ter tido a oportunidade de jogar nesse clube gigante. Ituano é um clube tradicional no futebol paulista, hoje tem uma boa estrutura e tem tudo para subir de divisões novamente no Brasileiro.

3- Vestiu as camisas de Grêmio Barueri, Athletico Paranaense, Botafogo-SP e XV de Piracicaba. Qual a sua relação com o futebol do interior paulista em um aspecto geral? Como analisas o declínio do Grêmio Barueri até mesmo chegando a parar de existir profissionalmente? O time foi comprado com o intuito de trabalhar as categorias de base para depois retornar ao profissional, vês isso como o caminho correto? Em 2011, o Athletico foi rebaixado para segunda divisão, todavia já via uma mudança de mentalidade dos gestores para que em menos de uma década conseguissem tamanho êxito ao desafiar os principais clubes?

R: Realmente joguei por muitas equipes do interior paulista, no Barueri tive uma passagem muito vitoriosa, foram 6 anos de clube com título paulista do interior, terceira colocação no Paulistão de 2010 e acesso à Série A do Brasileiro de 2009, infelizmente por problemas políticos a equipe sucumbiu e hoje nem existe mais. O XV de Piracicaba é o clube de coração da família da minha mãe que é da cidade, e todos ficaram muito felizes de eu ter jogado no clube, mas devido uma lesão joguei sete jogos apenas. Athletico Paranaense foi um outro time grande que joguei, mas foram apenas 6 jogos como titular.

4- Atuou no Beira-Mar (Portugal), Uberlândia, Red Bull Brasil, Portuguesa-RJ, Sertãozinho, Itumbiara e Mogi Mirim. Como foi conseguir a sua experiência internacional? O que poderias dizer de positivo sobre o futebol português? Nos últimos anos atuou por times menores, em algum momento teve problemas com salários? Caso positivo, poderia explicar mais sobre a situação? Como vês a utilização do Red Bull Brasil como formador de novos atletas para o Bragantino? Acreditas que possa ser um grande celeiro no futuro?

R: Realizei um sonho de ter jogado na Europa e no país onde tenho cidadania, foi uma experiência espetacular que com certeza nunca irei esquecer, o português é muito obediente taticamente, são extremamente profissionais além de ter um campeonato muito organizado e estão em constante evolução no futebol devido à isso. Sim, fiquei sem receber por diversas vezes, é uma realidade muito triste que tem no futebol especialmente no Brasil que eu torço para que tenham punições severas aos clubes para que isso acabe de uma vez por todas. Joguei no Red Bull por um período muito curto, porém percebi que é um time que não deve nada em termos de estrutura e profissionalismo para os clubes grandes, torço para que seja positiva essa junção com Bragantino.

5- Uma mensagem para os colunistas e leitores do mercadodofutebol.net.br?

R: Parabéns pelo trabalho e obrigado por me entrevistarem foi um grande prazer.

Mercado Futebol

Um comentário

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!