Três semanas depois de anunciar a extensão do acordo com o Banco Inter até dezembro, o São Paulo confirmou a permanência de outro parceiro até o final do ano. A construtora MRV, que é controlada pela mesma família que dirige a instituição bancária, ficará com a marca estampada no ombro da camisa tricolor até o fim do mandato da atual diretoria, em dezembro.

A manutenção do negócio com a construtora mineira teve como base uma estratégia que fez o Banco Inter prolongar o contrato: uma extensão do patrocínio para outras modalidades disputadas pelo São Paulo. A MRV estará com a marca na camisa também do time feminino e do basquete masculino do tricolor paulista. Já o Inter está na camisa de treino das mulheres e no espaço máster do basquete.

A estratégia do combo de patrocínios também engloba outros patrocinadores do uniforme do time principal masculino. Betsul (calção), Gazin Colchões (barra traseira) e Urbano (mangas) também ocupam o uniforme do futebol feminino.

“Em um momento em que a economia aparece tão retraída, conseguimos manter uma parceria importantíssima para o clube e que certamente continuará trazendo frutos. Agradecemos a confiança da MRV e continuaremos trabalhando para alcançar os melhores resultados”, disse João Fernando Rossi, executivo de marketing do São Paulo, ao celebrar o prolongamento da parceria com a MRV.

A construtora mineira foi, entre os patrocinadores do São Paulo, quem mais fez iniciativas de ativação do patrocínio em meio à pandemia do coronavírus. A MRV já criou um torneio de videogame com torcedores são-paulinos e dos outros clubes de futebol que patrocina (Atlético-MG, Flamengo e Fortaleza) e também fez uma máscara personalizada com o escudo do São Paulo para ser doada nas ruas.

“Nos orgulhamos em ser a empresa privada com maior atuação no esporte. Apoiamos e continuaremos a apoiar equipes de diversos segmentos, como futebol, vôlei, handebol, basquete, automobilismo e natação”, afirmou Rodrigo Resende, diretor de marketing e novos negócios da construtora.

Assim como acontecia no acordo com o Banco Inter, o vínculo do São Paulo com a MRV ia apenas até o término do Campeonato Paulista. A extensão do acordo apenas até o final deste ano faz parte da estratégia da atual diretoria de marketing, de não estender o patrocínio para além do mandato de Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, que ficará na presidência são-paulina até o final deste ano.

Máquina do Esporte