Ademilson, Piazón, Evangelista e mais: as jóias do São Paulo que sumiram no profissional

O São Paulo sempre foi conhecido como um dos principais formadores do futebol mundial. Nomes como Kaká, Lucas Moura, Casemiro, Willian Arão e David Neres apareceram pela primeira vez em Cotia, onde fica o Centro de Treinamento das categorias de base do Tricolor Paulista. Mas nem todos os jogadores que saem de lá cumprem tudo o que prometem no profissional.

Pensando nesses casos, o Torcedores apurou alguns nomes que estão “desaparecidos” após ter relativo sucesso nas categorias de base do time.

Lucas Evangelista

Comprado após boas atuações pelo Desportivo Brasil, o meia-atacante Lucas Evangelista fez boas atuações no sub-20 do São Paulo entre 2013 e 2014. Esse bom futebol o credenciou a ganhar oportunidades no profissional, onde participou de 27 partidas e marcou três gols. Desde então, passou por diversos clubes de menor expressão da Europa e atualmente veste a camisa do Vitória de Guimarães, da elite de Portugal.

Ademilson

O atacante surgiu como um foguete logo nos primeiros jogos como profissional, se tornando titular com apenas 18 anos. Permaneceu por três temporadas no elenco principal do Tricolor, somando 114 partidas e marcando apenas 15 gols. Foi negociado com o futebol japonês, de onde nunca mais saiu. Aos 26 anos, passou por Yokohama Marinos e atualmente veste a camisa do Gamba Osaka.

Lucas Piazón

Com ótimas apresentações pela seleção brasileira sub-17, o atacante nem chegou ao profissional do São Paulo. O Chelsea desembolsou 7,5 milhões de euros para contar com a jóia – o Tricolor ficou com 80% da quantia. Mesmo com a alta aposta, nunca teve sequência pelos Blues, sendo emprestado a sete equipes, em seis países diferentes. Atualmente veste a camisa do Rio Ave, clube modesto da elite portuguesa.

Auro

Outro que conquistou a titularidade no profissional com pouco tempo, o lateral-direito teve boas apresentações com a camisa Tricolor em 2014 e 2015. Perdeu espaço no início de 2016 e acabou emprestado ao Linense para a disputa do Campeonato Paulista. Ainda vestiu a camisa do América-MG antes de acertar com o Toronto FC, da Major League Soccer. O time canadense pagou 600 mil euros para ficar em definitivo com o defensor.

João Schmidt

Promovido ao profissional em 2012, o volante só recebeu sequência no profissional após o empréstimo ao Rio Ave-POR, entre 2014 e 2015, quando foi titular absoluto e um dos destaques da equipe. Se tornou uma peça bem utilizada do elenco no retorno ao Tricolor, sendo elogiado pela torcida em alguns momentos. Em 2017 não entrou em acordo para renovação de contrato e acertou com a Atalanta-ITA. Hoje veste a camisa do Nagoya Grampus, do Japão.

Ewandro

O atacante subiu ao elenco principal com apenas 17 anos, ganhando oportunidades no Campeonato Paulista de 2014. Permaneceu no São Paulo até a metade de 2015, quando foi emprestado ao Athletico Paranaense. Com boas atuações no Furação, acabou negociado com a Udinese-ITA. Pouco jogou na equipe italiana e acabou cedido para Estoril-POR, Austria Wien-AUT, Fluminense e Sport, respectivamente.

Torcedores.com

4 comentários

  1. Tem muito mais. Tinha um tal de Diogo lateral-esquerdo que era promissor, ia ganhar chance no profissional com o Ricardo Gomes, mas forçou a barra pra se mandar igual fez o Oscar e o Piazon, citado no texto. Oscar ainda se deu muito bem, mas os outros 2 aí caíram no ostracismo.

    Que sirva de lição pra molecada que mal chega no profissional e já se acha craque de seleção, muitos também mal orientados por empresários oportunistas. Tem que aprender a valorizar o clube formador, e “engrossar as canelas” antes de pensar em fazer as malas pra Europa.

    • Diogo era craque (ou parecia ser), titular das seleções brasileiras de base. Realmente entrou na mesma pilha do Oscariotes, e desapareceu gloriosamente.

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!