Seguindo o movimento de aceleração da volta das atividades do futebol nas últimas semanas, alguns estados brasileiros e seus clubes já iniciaram a volta aos treinamentos. Como publicado pelo UOL Esporte na manhã desta sexta-feira, o Ministério da Saúde sinalizou com um parecer positivo à retomada do esporte, mas nem todos os estados devem seguir essa tendência – o Rio Grande do Sul é o mais avançado na volta aos treinamentos.

O parecer foi elaborado pelo ministério em resposta a uma solicitação da CBF, que enviou um protocolo de saúde e segurança para o retorno. O documento afirma que o esporte é “relevante no contexto brasileiro e que sua retomada pode contribuir para as medidas de redução do deslocamento social através da ‘teletransmissão’ dos jogos para domicílio”, mas cobra algumas medidas da entidade, principalmente referentes a testagem dos envolvidos.

São Paulo, o estado mais afetado pela pandemia do novo coronavírus, tem muitos obstáculos para o retorno. O governador João Doria (PSDB) tem adotado medidas mais restritivas de isolamento social, que vigoram até o próximo dia 10 de maio e serão rediscutidas no dia 8. Aumentos nos números de mortos e infectados diários devem, entretanto, adiar a discussão sobre relaxamento ou reabertura, e existe a possibilidade de adoção de medidas ainda mais restritivas.

A Federação Paulista de Futebol aguarda esse posicionamento para definir os próximos passos. Enquanto isso, trabalha na elaboração de um protocolo de saúde e segurança em conjunto com uma comissão de médicos liderada por Moisés Cohen. Os médicos tem se reunido com dirigentes de clubes para elaboração de protocolos de testes em atletas e discussão das questões logísticas. Os clubes, por sua vez, tem mantido treinamentos à distância, por vídeo para os atletas, e ainda não têm nenhum cronograma de volta às atividades presenciais. São Paulo, Corinthians, Santos e Palmeiras têm adotado o discurso de priorizar a saúde dos jogadores, e evitado qualquer movimento de acelerar a volta.

Nos bastidores, alguns deles fazem preparações logísticas como compra de testes e planejamento de retorno de atletas que estão no exterior, mas a posição é de aguardar uma liberação das autoridades estaduais.

UOL