Elenco versátil do São Paulo pode amenizar dor de cabeça de Diniz sem Antony

A paralisação no futebol por conta da pandemia da covid-19 deve abreviar os últimos momentos de Antony pelo São Paulo. Na negociação que envolve sua venda ao Ajax, estava acordado que o atacante iria se transferir em julho. Com a incerteza da data para o retorno das atividades, o técnico Fernando Diniz já começa a pensar num cenário sem o jogador, mas o elenco tricolor pode atenuar essa dor de cabeça.

Desde o ano passado, o São Paulo trabalho na montagem do elenco visando a versatilidade dos atletas. Para 2020, foi a vez de manter a base da última temporada, e essa característica dos jogadores, principalmente do ataque, já ajudou o treinador para os primeiros jogos da temporada, quando o Tricolor não pôde contar com Antony.

Pablo e Pato já chegaram a atuar juntos no setor de ataque, durante a ausência do jovem atacante. Com Vitor Bueno mais preso pelo lado esquerdo, ambos alternavam entre o lado direito, e a posição de centroavante, mais centralizado. Foi com este trio de ataque que o São Paulo atuou nas vitórias contra Ferroviária e Ponte Preta, nos empates contra Novorizontino e Corinthians, e na derrota para o Santo André.

Outra alternativa é a aposta em Helinho, mais uma joia formada nas categorias de base do Tricolor. O camisa 11 surgiu ainda em 2018, com direito a golaço na estreia, mas passou longe de empolgar a torcida no último ano. No elenco, é o que mais se assemelha a Antony pela capacidade de aliar drible e velocidade. Talvez por isso, foi a primeira opção de Fernando Diniz na estreia e na segunda rodada do Campeonato Paulista. Nas duas partidas, entretanto, o jovem atleta não conseguiu brilhar.

Quem também pode ser opção imediata é o polivalente Everton. O já experiente atacante de 31 anos não oferece o drible e o poder de associação de Antony, mas potencializa a equipe em velocidade e em um jogo mais objetivo. O que tem atrapalhado suas atuações, entretanto, é o alto número de lesões durante a sua passagem pelo São Paulo.

Outro que tem sofrido com problemas clínicos, mas que pode ser opção para a segunda metade da temporada é o equatoriano Rojas. Depois de sofrer duas lesões em seguida no joelho, a previsão era que o jogador voltasse às atividades no gramado em abril. Com a pandemia, entretanto, o retorno pode ser adiado.

Por fim, Fernando Diniz ainda pode contar com outros garotos das categorias de base. Brenner e Toró são dois que foram utilizados em alguns jogos na temporada. Ambos oferecem velocidade e mais poder de finalização.

Além de todas as opções no ataque, o treinador são-paulino pode preencher o meio de campo de sua equipe e atuar com uma dupla de atacantes. Há ainda a alternativa de Daniel Alves atuar adiantado pelo lado direito, como já fez por PSG e Juventus, e um volante ou meia de criação entrar na vaga deixada no setor.

Gazeta Esportiva

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!