Peça-chave do Flamengo nas conquistas do Copa Libertadores e do Campeonato Brasileiro, em 2019, o zagueiro Rodrigo Caio pode render mais dinheiro ao São Paulo. Em 2019, o jogador ultrapassou as metas contratuais estipuladas e viu o Rubro-Negro efetuar a compra de 15% de seus direitos que ainda pertenciam ao time paulista, seu ex-clube. Agora, por cláusula do acordo entre as duas equipes, os cariocas podem adquirir mais 15% ao desembolsar mais 1 milhão de euros (R$ 5,7 milhões na cotação atual).

Quando contratou o defensor, os rubro-negros ficaram com 45% dos direitos econômicos, mas cláusulas de desempenho previam a aquisição de outras duas fatias de 15%, estas pertencentes ao Tricolor. Com estes gatilhos de performance atingidos, o Fla desembolsou mais 1 milhão de euros já na última temporada.

No momento, os direitos de Rodrigo Caio estão divididos entre Flamengo (60%), São Paulo (30%) e o próprio jogador, que manteve os 10% restantes. Em janeiro de 2019, Rodrigo foi anunciado como o primeiro reforço da gestão de Rodolfo Landim. Desgastado no Morumbi, negociou sua saída, que custou cerca de R$ 22 milhões ao Fla. No ano passado, o camisa 3 jogou 60 partidas e marcou cinco gols.

Em situação financeira mais complicada, os tricolores torcem para que o atleta siga em bom momento na Gávea, já que poderão lucrar com o outro pedaço que o Flamengo pode comprar, além de faturarem com uma eventual venda para o exterior. No ano passado, o nome de Rodrigo Caio foi ventilado pela imprensa catalã como possível reforço do Barcelona, mas nunca houve uma proposta formal pelo negócio e o defensor permaneceu no Rio de Janeiro.

Titular absoluto do time de Jorge Jesus, o jogador viu o setor no qual atua passar por transformações em 2020. Sem Pablo Marí, emprestado ao Arsenal, o clube se reforçou com Gustavo Henrique, ex-Santos, e Léo Pereira, ex-Athletico-PR.

UOL