​São Paulo é um dos times que está no meio do caminho, tentando descobrir por onde começar. Ou melhor, recomeçar. Pelo Paulistão deste ano, pode-se dizer que o clube obteve números razoáveis. Já na ​Libertadores, o time levou um baita tropeço no jogo de estreia do torneio, mas ‘facilitou’ e alegrou a vida do torcedor ao receber a LDU em casa, que resultou em uma vitória por 3 a 0.

Mas você, leitor desse artigo, concorda que ainda há muita coisa a ser feita, não é mesmo? Com a suspensão dos torneios por conta da pandemia do coronavírus, destaquei quatro situações que devem ser observadas atentamente. Preparados?

Investimento na base

O time comandado por Fernando Diniz contou por a participação efetiva dos jogadores nas decorrentes partidas, sendo que a metade dos atletas faz parte do ninho de Cotia. Uma vez que Diniz poupar alguns titulares, é possível observar os tamanhos dos ‘estragos’ causados pela “mina de ouro cotiana”.


A fórmula secreta de Fernando Diniz

A fim de conquistar bons resultadoslugar satisfatório na tabela e, possivelmente, títulos, Diniz precisa inovar seu estilo de jogo. Não só para os jogadores, como também para a própria torcida. O Dinizismo já está aí, evidenciado grandes feitos do técnico, mas não vamos nos precipitar. Quando digo inovar, é buscar coisas novas diariamente. Um dia os feitos de Diniz podem funcionar 100%, mas quem dirá que o amanhã será a mesma coisa?


Alterações nas peças-chave

Estar preparado para o adeus também é primordial. Não quero ser chata nem nada, mas é importante que nós, torcedores, mantenhamos os pés no chão. Todo mundo sabe o quanto Antony joga bola. O interesse de outros clubes, nacionais ou internacionais, viriam mais cedo ou mais tarde. No caso veio mais cedo. O atacante, que é um dos ouros de Cotiafoi vendido para o Ajax, da Holanda. E o que resta para nós, meros torcedores do São Paulo? Agradecer a todos os feitos do craque. 

Crescimento de Daniel Alves e Juanfran

Quando ambos os jogadores foram anunciados pelo Tricolor Paulista, a euforia tomou conta de cada um dos torcedores. Juanfran veio de um gigante espanhol, o Atlético de Madrid, enquanto Daniel Alves, eleito o melhor lateral na Copa América 2019, saiu do Paris Saint-Germain para mostrar seus feitos em um clube brasileiro. Apesar das contratações de peso, é correto dizer que os dois atletas ainda estão ‘se acostumando’ com o estilo tricolor? Daniel Alves vem mostrando muito mais destaque, diferente de Juanfran. Acredito que não devo ser a única torcedora do Tricolor Paulista que espera que ambos incorporem mais a condição de protagonista nos gramados.

Ana Carolina Castro