Análise: ‘ame-o ou deixe-o’ com Diniz no São Paulo não beneficia ninguém

A fúria que parte da torcida direcionou a Fernando Diniz no fim do empate sem gols com o Corinthians, sábado à noite, no Morumbi, em nada surpreende quem acompanha o São Paulo, mas talvez surpreendesse um desavisado que assistisse ao clássico sem saber dos anos sem títulos do Tricolor e de todo o turbilhão em que se transformou o clube nos últimos anos.

O São Paulo dominou o jogo quase inteiro, com exceção aos cinco minutos finais do primeiro tempo, em que a marcação se desencontrou e o rival criou um par de chances desperdiçadas por Boselli. Não seria exagero dizer que só não venceu porque seus jogadores não conseguiram transformar em gols as diversas oportunidades criadas, além do pênalti que a arbitragem ignorou.

O enredo foi o mesmo nas últimas três rodadas do Paulista: o São Paulo domina, mas não faz os gols, não vence e reclama com razão dos erros dos juízes. Aquele desavisado citado no primeiro parágrafo talvez não identificasse nenhum motivo de revolta com o treinador ou até com os jogadores, exceto pelas falhas de conclusão.

Só que esse nosso personagem hipotético não sofreu com as derrotas, eliminações e decepções que machucaram o são-paulino nos últimos tempos. O torcedor está em seu direito de não querer mais esperar para vencer. É vitória ou vitória, independentemente do desempenho. A fúria, nesse ponto, é compreensível.

Aos dirigentes, porém, cabe fazer uma análise técnica, mais desapaixonada. O torcedor é a razão de ser de um clube de futebol e é importante ouvi-lo, mas talvez tenha chegado a hora de o São Paulo parar de dizer “amém” à voz da arquibancada. Guiar-se pelo que ecoa no Morumbi neste momento possivelmente significará, com mais alguns resultados desagradáveis, dar fim ao trabalho que está em andamento para iniciar outro. Nada indica que seja uma boa ideia, e o próprio São Paulo é prova disso.

Fernando Diniz não é gênio nem monstro, embora o brasileiro se proíba de analisar sem exageros as pessoas que se propõem a fugir do status quo como ele. O “ame-o ou deixe-o” que o acompanha desde o início da carreira como técnico não beneficia ninguém. Você não precisa formar parte de um fã clube para reconhecer que o trabalho começou a andar em 2020. Também não precisa ser um “hater” para perceber que ainda há muito a ser melhorado. O São Paulo tem de vencer com urgência, mas nenhum campeonato será decidido neste mês, que é praticamente uma extensão da pré-temporada.

O momento de a bola não entrar é agora, desde que isso não signifique ficar fora dos mata-matas do Paulistão, obviamente – a Libertadores começa dia 5. Vai chegar a hora em que a ordem se inverterá, mas nesta altura da temporada é melhor acumular atuações que indiquem a existência de um caminho a ser trilhado, mesmo que o resultado não corrobore com isso, do que vitórias conquistadas “de qualquer jeito”.

Quando Diniz foi contratado, em setembro do ano passado, o autor deste texto não enxergava nele o perfil ideal para esse São Paulo em que se quer tudo “para ontem”, ainda mais porque sua contratação foi feita em meio a uma temporada em que o elenco já havia sido dirigido por três outros profissionais e sofrera uma série de modificações. As atuações irregulares, suficientes apenas para manter o Tricolor no sexto lugar do Brasileirão (exatamente onde estava quando Cuca jogou a toalha), reforçavam a tese de que as coisas não iam andar. Mas o início de 2020 mostra um São Paulo que pode buscar protagonismo, até porque o elenco é qualificado e está absolutamente fechado com a comissão técnica, ingredientes que nem Diego Aguirre, treinador que melhor trabalhou no Morumbi nos últimos anos, conseguiu reunir. É momento de ter convicção e insistir. 

Lance!

39 comentários

  1. Concordo em 100% com o texto, se já chegamos até aqui, vamos apoiar até o fim, tenho a esperança de que na Libertadores essa bola ou essas bolas vão entrar.

  2. Foda… quando a gente pede pro sujeito entrar com um só nickname os caras não atendem… depois tenho que verificar o pq determinado usuário tem sempre o comentário retido e eu tenho que liberar manualmente…

    Há aquele que entra com 4 nicknames diferentes…

    Se não podem ajudar, não atrapalhem, por favor…

  3. Quando essa bola começar a entrar o SP só vai ganhar de goleada.
    A hora da bola não entrar é agora, que dá tempo de corrigir.
    A mim nesse momento importa que o time está criando oportunidades, falta só caprichar nas finalizações.
    Libertadores a gente vem fortíssimo!

  4. Paciência é que está faltando pra alguns torcedores , que acabam dando armas para os inimigos, a imprensa já decretou que parte da diretoria está precionando para a saída do Diniz pura mentira que contada algumas vezes acabam se tornando verdade ,porque eles são formadores de opinião e parte da torcida acaba indo nessa pilha da imprensa , e acaba levando pressão pra dentro de campo , vejo os jogadores com atitude que sofrem com a falta de resultado positivo são pais de família honestos , que precisam de apoio de nossa torcida vamos São Paulo contra tudo e contra todos , juntos somos mais fortes , vamos lotar os estádios e apoiar com toda garra nosso time , a nós só cabe apoiar

  5. Muito boa a matéria que já tinha sido trazida pelo Márcio na abertura do post anterior.

    E fundamental que a diretoria esteja se comportando exatamente da forma nela proposta.

    Agindo com a razão e deixando a paixão nas arquibancadas.

    Respaldando conforme artigo abaixo, os trabalhos e o comando técnico do nosso treinador atual.

    https://globoesporte.globo.com/futebol/times/sao-paulo/noticia/fernando-diniz-tem-respaldo-da-diretoria-do-sao-paulo-apos-ouvir-gritos-de-burro-no-morumbi.ghtml

    Os dois textos de complementam.

    Há que se entender sim, o desalento e a revolta da torcida.

    Mas aos dirigentes, até pra tentar dar uma limpadinha no monte de asneiras cometidas até o momento, cabe agir com bom senso e acima de tudo com responsabilidade.

    Apostando e bancando a continuidade dos trabalhos por toda essa temporada, em nome da continuidade e de um mínimo de planejamento com ações de médio e longo prazos.

    Desativando de uma vez por todas o incinerador de treinadores, independentemente dos gritos da torcida.

  6. Ha muito tempo o SP não criava tanto. Acredito que problemas na criação são mais difíceis de resolver do que finalização. SP vai crescer muito na hora que a bola começar a entrar.

  7. Com essa diretoria o Diniz vai ter tempo para mostrar serviço, ao contrário do que acontece na maioria dos clubes, onde o resultado é o que interessa. Sorte dele e nosso, porque senão o clube se afundaria mais nas mãos do Leco. Além da diretoria, o Diniz agrada a uma parte da torcida e isso é bom. Menos pressão para o Leco. Deixa ele tranquilo lá enquanto o ano passa. Enquanto isso, vou torcendo pelo clube que amo. Se faz quase 8 anos que não celebro um título, posso esperar um pouco mais. Se o Diniz faz tão bom trabalho como o pessoal diz, então o ano vai ser mais fácil levar. Semifinal do paulistinha e CB, quartos de final na libertadores e quarto lugar no brasileirão, são metas alcançáveis para um time grande como o SPFC. Então, vou torcer pelo Diniz, para que seja um ano menos sofrível, que os jogadores melhorem a pontaria, os árbitros sejam menos ruins e o clube possa se recuperar financeiramente.

  8. Particularmente, não enxergo apenas a falta de finalização como o problema. O SPFC hoje joga no 4_1_4_1, fazendo com que os laterais não tenham tanta liberdade para dar profundidade; com esses meias dos últimos jogos: Hernanes, Vitor Bueno, Pablo e Daniel Alves, o time ficou bem lento nas transições defensivas e ofensivas, deixando buracos que o Novohorizontino e Santo André souberam aproveitar. Talvez duas peças mais dinâmicas: Igor Gomes é Everton, melhorassem essa parte. Vamos aguardar, mas as convicções do Diniz muitas vezes o complica onde passou.

    • Jogamos assim pelas ausências de Igor Gomes e Anthony.

      Acho que o Daniel Alves pela LD e o Hernanes de segundo volante é uma opção, assim como a manutenção do Juanfran e a saída do Hernanes.

      Tchê Tchê vem jogando bem e a nossa grande lacuna hj infelizmente é a LE, Reinaldo é muito complicado. Marca mal demais e apoia de forma muito tímida.

      Alguém da base ou o próprio Everton poderiam ser testados, não sei.

      Por enquanto eu iria de:

      Volpi

      D. Alves
      Arbo
      B. Alves
      Reinaldo

      Tchê Tchê
      Hernanes
      I. Gomes
      Vítor Bueno/ Everton

      Anthony
      Pato

  9. Sobre o último título ou taça conquistada pelo SPFC eu fico realmente impressionado que os torcedores são capazes de desmerecer esta conquista. Depois da libertadores é o torneio mais importante da região ou do continente. Significa para o SPFC simplesmente a 12a. conquista internacional, ou o número de conquistas que torna o SPFC o maior clube brasileiro a nível internacional. É mais importante que o brasileirão, inclusive. Não a desmereçam, pois vale muito.

    • Por demais da conta.

      Agora com a lesão do Léo-não-Pelé, então ..

      Reinaldo é uma avenida, marca mal e apoia de forma muito acanhada.

      Bate bem na bola, mas é raro ter oportunidade de uma cobrança de falta ou uma bola limpa pra arrematar. Até porque o D. Alves virou o dono da bola parada, mesmo chutando 80% delas na barreira.

      Hernanes e Reinaldo cobram muito melhor que ele, mas vá entender ..

  10. “talvez tenha chegado a hora de o São Paulo parar de dizer “amém” à voz da arquibancada.” é o mais novo mito do São Paulo.

    Pode-se até citar alguns casos que a torcida realmente majoritariamente apoiou como Jucilei, Pato, Hernanes e Daniel Alves. Agora até parece que é a gente quem pede a contratação de Fernando Diniz, Diego Souza, Maicossuel e esse monte de porcaria que pairou aqui… investiram nesses engodos ao invés do Calleri e agora o jornalista vem com essa?

    Sinceramente, talvez tenha chegado a hora do Raí deixar de ser frouxo, eles trouxeram o Aguirre, “o diretor de condomínio” pegou o microfone, falou que não iria demitir até o fim do BR e demitiu 2 jogos depois.

    Quando o Cuca pediu demissão o Raí disse que iriam escolher o treinador “com calma” e apareceram com o Diniz na noite seguinte.

    Entra o Diniz, toma uma sarrafada do Palmeiras e o Raí como bom aprendiz de Leco desaparece no fim do jogo, não dá satisfação pra ninguém e no dia seguinte nada acontece na Barra Funda.

    Vem falar que a torcida está sendo ouvida? Faça me um favor amigo. A vida toda os diretores mandaram e desmandaram pro bem e pro mal, joga a culpa e os louros pra esse monte de velho ai, a gente só canta, grita e gasta dinheiro, respeita a gente!

    • Assino embaixo, irmao, pois torcida nao contrata ninguem e ainda é usada como desculpa para a ma gestao! e a torcida apoiou diniz ate ele fazer bobagem, pois se era para sair alguem do ataque, que saisse o vbueno, que ja tinha amarelo!

      • A reportagem trata especificamente do cargo do Diniz.

        Não creio que uma substituição deva ser motivo pra tanto, no fim das contas a gente criou mais depois dessa substituição. Tvz pudesse realmente ter saído o V. Bueno, mas não foi, ponto.

        Quanto às dragas que vieram perambular por aqui nos últimos tempos, assino embaixo. Inadmissível.

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!