O Globo Esporte fez uma matéria sobre a agitação nos bastidores do São Paulo envolvendo a vitaliciedade de Conselheiros e Remuneração dos mesmos que precisarão definir entre continuar recebendo salários e perderem o posto de conselheiros ou desligarem-se do clube e poderem atuar como Conselheiros novamente.

Após o Diretor Financeiro sair do cargo, diz-se que em comum acordo mas que por motivos a mais, como investigações que rolam à parte na boataria dos conselheiros, outros poderão sair mas em Abril. A tomada de decisão precisa ser efetuada.

Veja a lista feita pelo site:

“O São Paulo abre eleição para conselheiros vitalícios quando há dez vagas vazias. Neste momento existem nove. Caso mais um conselheiro morra ou um dos diretores remunerados que é conselheiro vitalício decida abrir mão da cadeira no Conselho, haverá eleição para escolher dez novos integrantes.

Ou seja, como é provável que ao menos um dos conselheiros vitalícios remunerados abra mão da sua cadeira, essas vagas deverão começar a ser preenchidas em abril.

Quatro dos seis profissionais remunerados são conselheiros vitalícios:

  • Elias Barquete Albarello (diretor executivo financeiro): pretende seguir no cargo até dezembro e abriria mão da cadeira no Conselho;
  • Eduardo Rebouças Monteiro (diretor executivo de infraestrutura): situação indefinida e não pretende decidir antes de abril, prazo final;
  • Paulo Mutti (superintendente de gestão de contratos): situação indefinida. Seu cargo foi criado em 2018;
  • Mauro Castro (gerente de estádio): situação indefinida. Mauro trabalhou no Pacaembu por mais de dez anos e está no São Paulo desde 2017.

Os outros dois (além de Leonardo Serafim, que saiu) são conselheiros eleitos:

  • Márcio Carlomagno Araújo (assessor da presidência): situação indefinida e não deverá tomar decisão antes de abril;
  • Rodrigo Gaspar (diretor executivo administrativo): situação indefinida e que depende de conversas futuras. Nos bastidores há quem aponte para uma tendência de saída.

Na prática, as atribuições de conselheiros vitalícios e eleitos são as mesmas. A vantagem dos vitalícios é não depender mais de futuras eleições, o que dá mais força na articulação política.

Os profissionais remunerados que decidirem permanecer na função não poderão disputar a eleição de conselheiros em novembro, um mês antes do pleito para eleger um novo presidente. Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, não poderá concorrer à reeleição.”

Texto: Blog do São Paulo

Trecho Lista: Globo Esporte

https://globoesporte.globo.com/futebol/times/sao-paulo/noticia/novas-vagas-de-vitalicio-e-futuro-de-conselheiros-remunerados-agitam-bastidores-do-sao-paulo.ghtml