O São Paulo avalia opções para o lugar do zagueiro Walce, que passou por cirurgia após ter rompido o ligamento cruzado anterior no joelho esquerdo e será desfalque de seis a oito meses. O clube deve optar por “solução caseira”, de acordo com o gerente de futebol Alexandre Pássaro.

A diretoria pode pedir a volta de Rodrigo Freitas, que tem 21 anos e está emprestado ao Portimonense, de Portugal. No contrato, há uma cláusula que permite o São Paulo solicitar o retorno do jogador neste início de temporada. O defensor é revelado na base do clube tricolor e está emprestado até junho.

Outra opção é promover algum outro jovem após a disputa da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Os zagueiros Fasson, Luizão e Matheus têm sido utilizados na tradicional competição de base, com destaque para Fasson.

O atual elenco do São Paulo conta com os zagueiros Arboleda e Bruno Alves, titulares, e Anderson Martins. Além deles, o jovem Diego pode atuar como defensor – ele foi capitão da equipe no título da Copinha de 2019 jogando como volante.

“A gente tem uma cláusula no contrato do Rodrigo com o Portimonense, podemos pedir a volta dele nessa janela de começo de ano. A decisão não está tomada, temos zagueiros aqui, os que estão jogando a Copinha. A solução deve ser, sim, caseira, porque acreditamos no potencial de todos. Quando a gente empresta o Rodrigo, é por querer dar a ele uma vivência que seria difícil conseguir aqui. Vamos debater com o Diniz se é o caso de pedir o retorno dele”, afirmou o gerente de futebol Alexandre Pássaro.

O diretor de futebol Raí complementou a resposta ao lembrar sobre Diego, que subiu ao elenco profissional nesta temporada e pode atuar como zagueiro ou volante. “Temos, além da possibilidade do Rodrigo, um outro talento que é o Diego. Ele está preparado”, disse Raí.

Walce se lesionou durante a preparação da seleção brasileira sub-23 para a disputa do Pré-Olímpico. O zagueiro de 20 anos chamou a atenção do Red Bull Bragantino, mas o São Paulo recusou a oferta.

Estadão