“Reage!” Diniz cobra insistentemente estratégia do “perde-pressiona” visando encurralar os adversários

O São Paulo iniciou sua pré-temporada na última quarta-feira e um grito tem ecoado constantemente pelo CFA Laudo Natel, em Cotia. “Reage, reage”, brada Fernando Diniz. É o código para que os jogadores não se abatam após uma perda de bola e marca uma das ideias de jogo que o técnico quer afinar para o Tricolor em 2020.

Esses gritos estão ligados a uma estratégia de marcação chamada “perde-pressiona”. O conceito é simples: ao perder a bola no campo de ataque, o time precisa ser agressivo e reagir imediatamente para tentar tomar a bola do adversário. Quanto mais rápido isso acontecer, as chances de retomada da posse aumentam e a distância para o gol rival fica menor.

O torcedor do São Paulo já viu bastante desse conceito em dois momentos recentes do clube. Em 2015, Juan Carlos Osorio era um adepto ferrenho do “perde-pressiona”. Dois anos depois, os ensinamentos do colombiano inspiraram Rogério Ceni a tentar fazer o mesmo. Para isso, os técnicos costumam apostar em times mais intensos e velozes, capazes de encurralar os adversários antes mesmo de a bola cruzar o meio de campo.

Diniz quer que isso seja uma marca do São Paulo deste ano. O técnico conversa sobre isso com o grupo desde o ano passado, mas entendia que seria preciso mais tempo de treinamento para que a equipe ficasse ajustada para a estratégia. Caso contrário, o time se adianta com o objetivo de pressionar e recuperar a posse, mas o faz de forma desordenada e deixa buracos na transição defensiva.

Um exemplo de como um “perde-pressiona” mal executado pode castigar uma equipe aconteceu com o São Paulo no Campeonato Paulista de 2018, sob o comando de Dorival Júnior. O agora treinador do Athletico Paranaense sempre foi um incentivador dessa tática e também quis usá-la no Tricolor, mas um elenco mais pesado e ainda sem afinação para isso acabou se adiantando frouxamente contra o Santos e permitindo gol de Gabigol no Morumbi.

É por isso que Diniz tem sido tão insistente com os pedidos de “reage, reage”. A mensagem precisa ficar automática no subconsciente do jogador. O “perde-pressiona” precisa se tornar natural, espontâneo. E até aqui os jogadores têm mostrado boa recepção para a ideia. Não à toa, alguns dos atletas ajudam a reforçar os gritos do técnico, como o goleiro Tiago Volpi, o zagueiro Bruno Alves ou o volante Luan.

A estratégia acaba servindo também como um trabalho psicológico para evitar cenas de jogadores se lamentando após um gol ou uma bola perdida, enquanto o adversário se arma para contra-atacar. Diniz quer mais concentração e foco no jogo coletivo e cobra muito os meias e atacantes quando esses se viram para lamentar um passe ou um drible que não entrou.

UOL

33 comentários

  1. Chega de deixar somente o mais técnico prevalecer… Tem que escalar os jogadores que entendam e obedeçam o mecanismo. Tomamos goleada do Audax, e o mesmo foi finalista de um paulista.

    Alguém aq acha q em alguma posição o Audax era mais técnico q aquele São Paulo?

  2. Estamos vendo nesses últimos tempos o Athletico e o Grêmio… E o Santos não melhor time/elenco q a gente, e se não fosse o Flamengo, seria campeão.

    • Melhor momento do Pato no São Paulo, ele era desobrigado a marcar. Mas ano passado vendo o Vitor Bueno na mesma posição, achei que ele enganava bem também, pois não marcava ninguém. Olho nele, pois também tem preguiça de correr pra marcar.

  3. “Desistir” do lance tem muito a ver com a falta de vontade em lutar por algo, com a falta de confiança e com o preparo físico fraco. Se conseguirem melhorar isso esse ano já vai ter um avanço grande na “vontade”.

  4. Olha… deixando claro todas as devidas diferenças entre ambiente, capacidade e etc, temos que lembrar que o Dario Pereira era meia, depois se transformou em primeiro volante e só mais tarde se consagrou como zagueiro.

    • Tanto o Shaylon de volante, quanto o Luan de zagueiro não dá nem pra sonhar em comparar com o Dário Pereira em nenhuma posição.

      Dario era muito mais jogador em qualquer posição, só o Volpi acho que é melhor goleiro que o Dario, de resto ele jogaria em qualquer posição deste time fácil fácil.

  5. Desculpem pela brincadeira e comparação até porque eu sei o quanto é triste passar por uma situação de UTI.
    Mais quando eu leio que alguém esta gritando reage, já me vem a cabeça alguém que esta respirando por aparelhos e mesmo assim esta quase partindo dessa pra melhor e a negada em volta da cama dizendo pro infiliz… Reage, reage.

    Da forma como o São Paulo esta sendo gerido, não vai demorar pra se deitar na cama da UTI.

    Deus tenha misericórdia de todos nós.

  6. isso correria doida na pressão depois de 15 minutos acaba o gaz e adeus partida.

    não gosto da filosofia de jogo do diniz, é ilusiria e ineficaz, aguirre reconheceu a limitação do time e jogava no contra ataque e deu bem certo até as lesoes aparecerem.

    não tem essa de a filosofia é essa e ponto, é um balanceamento entre o que tem de jogador disponível x forma de jogar.

  7. Galera falando que o São Paulo tá próximo de se tornar o Cruzeiro. Não acho não, o São Paulo tá pior, porque o Cruzeiro ganhou títulos recentes.
    Só mais esse ano, resiste meu tricolor a esse lixo que se diz presidente do clube.

  8. Eu critico muito a visível falta de competencia do Leco e colaboradores. O salda é tão negativo como a dívida. Não foi capaz de transformar os gastos exagerados numa vitória sequer. Incapaz, inepto, um líder ao revés. Ele não reconhece a sua incompetencia e coloca a sua vaidade por cima dos interesses do clube que dirige e que supostamente ama. A única solução é esperar que o mandato termine e que o mal seja o menor possível para o clube. Depositamos a esperança que uma pessoa mais adequada assuma a condução do clube com mais inteligencia e competencia.
    Agora, sou contra essa campanha negativa de insistir na comparação com o caso do cruzeiro e a perspectiva quase inevitável de que o destino do clube será a série B. Acho que devemos apoiar o técnico e os jogadores e esperar deles uma reação positiva e honrada. Pelo menos, isso é o que eu penso. Se em maio o time acabar repetindo os mesmos papelões dos anos anteriores e não houver uma reação ao interior do clube, caberá a torcida se manifestar. Mas entregar o clube ao destino da série b, não acho certo.

  9. Daqui a pouco ele coloca o Arboleda ou o Bruno Alves de centroavante…rs.

    Que tal inverter as linhas jogar num 3-3-4? Ataque na zaga e a zaga no ataque, ia confundir os adversários….kkkk

  10. os caras exigiram a contratacao de diniz para continuarem no spa e ele acha que vai faze-los trbalhar de verdade? pobre sao paulo, eramos o Sao Paulo, agora, com leco e corretores limitados, somos sao paulo!

  11. Boa estratégia e vou torcer para que dê certo , agora com tempo para pré temporada e com quase todo elenco em mãos acredito que enfim ele poderá aplicar seus conceitos , pois a mim ficou claro que ano passado quando chegou tentou ser o mais pragmático possível com o objetivo de conquistar a vaga direta pra libertadores.

    Assisti a alguns jogos do Fluminense sob o comando do Diniz e era muito agradável de se ver o futebol praticado , levou muito azar em determinadas partidas que a bola teimava em não entrar , mas no jogado o time criava chances atrás de chances. Acredito que se ele conseguir replicar esse sistema por aqui com a melhor qualidade de nossos jogadores tem tudo pra dar certo.

  12. O “perde-pressiona” para tomar a bola e a “infiltração constante” para receber o passe na vertical não se faz com jogadores “veteranos” nem com os do tipo ganso. Diniz tem que insistir nesse método, mesmo com a crítica que virá das antigas “estrelas”. Não tem jeito: ou técnico inova e escolhe os jogadores jovens que executam bem as funções que ele definiu ou será mais um ano de decepção no Morumbi.

    • É justamente por isso que você citou é que devemos corneta. Torcedor não recebe salario do Clube, ele ama a Instituição e faz com que a mesma tenha interessados em colocar dinheiro nela, por causa da torcida.
      Treinador e jogadores não precisam torce pro Clube que amamos e é por isso que precisam trabalhar, serem cobrados e darem retorno, do contrario tem que ser mandados embora.

      Logo a Torcida deve continuar fazendo seu papel que é torcer, corneta, zuar e por ai vai sempre respeitando as pessoas.
      Ao treinador e jogadores se não derem resultados e também não gostarem de ser cobrados, que procurem outra profissão ou outro Clube.

      Eu enxergo a realidade dessa forma.

  13. O Diniz não é meu treinador preferido , mas já que ele está lá vou apoiá-lo e torcer muito pra dar certo. Ficar criticando o cara na ganhamos nada com isso.

  14. não tem essa de apoio incondicional coisa alguma, se fosse assim teria que apoiar o leco e a destruição que ele e seus parceiros fazemo no spfc. se erra é criticado se acerta é elogiado é o mundo do futebol e sempre será assim.

    não, não se tem paciencia depois de uma decada de fracassos.

    repito esse conceito do Diniz nunca funcionou e não deve funcionar no spfc, era bonito ver o fluminense jogar assim como era horrivel ver os gols de saida de bola, pq o diferentao queria sair com 5 nego perto do gol tocando a bola.

  15. É um estilo de jogo eficiente, porém exige muito foco e vontade da equipe. Hoje o Liverpool de Klopp o pratica com maestria.

    Deve-se levar em conta também que exige um condicionamento físico primoroso para ser posto em prática. Acredito que podemos usar a primeira fase do Paulistão pra melhorar este ponto.

    Boa sorte para o Diniz. Esperamos que os jogadores agora mostrem o apoio que foi escancarado no final da ultima temporada.

    Obs: Ficarei muito feliz em dizer que o São Paulo tem um estilo de jogo. rs

  16. O pior é o Diniz inverter as posições entre Shaylon e Liziero! Colocou o Shaylon de volante e o Liziero de meia. Quem não desanima com isso.

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!