Revelado nas categorias de base do São Paulo, o meio-campista Shalyon passou 2019 emprestado ao Bahia. Foram 30 jogos, cinco gols e uma nova experiência para o atleta de 22 anos. De volta ao Tricolor Paulista, o meia quer aproveitar a experiência e aproveitar sua nova chance no clube, agora sob comando de Fernando Diniz.

“O Diniz conversou comigo no São Paulo e Bahia na Fonte Nova, para eu continuar trabalhando que poderia pintar a chance de eu voltar. E agora quando eu cheguei também, deu as boas-vindas, falou que contava comigo e fico feliz por isso, pela confiança que ele tem me dado”, contou em entrevista à SPFCTv.

Shaylon passou a integrar o elenco principal do São Paulo em 2017, sob comando de Rogério Ceni. Foram 39 jogos e quatro gols em duas temporadas.

“Muito feliz pelo retorno ao São Paulo, poder trabalhar em Cotia novamente, lugar onde minha história no São Paulo começou e eu fui muito feliz”, contou. “Conversei com muita gente já, tanto comissão quanto jogadores, todo mundo passando energia para começar o ano, me sinto melhor, bem e preparado para poder ajudar”, seguiu.

O meia destacou os nomes de peso que chegaram ao Tricolor em 2019, e disse buscar aprender com eles. “Voltando com o elenco mais experiente, tanto o Daniel Alves, quanto o Juanfran, o Hernanes que já tinha passado. Caras vitoriosos no futebol, que já ganharam muita coisa e tem muito para agregar aqui no São Paulo”, observou.

“Então acho que pegar a experiência, as coisas boas deles, para ajudar o São Paulo. Tudo o que o São Paulo já me ajudou, desde a base, é poder retribuir dentro de campo”, concluiu.

Ano de altos e baixos

Em sua única temporada longe do São Paulo, Shaylon começou bem, mas terminou o ano jogando pouco no Bahia. O atleta marcou todos os seus cinco gols nos três primeiros meses do ano e foi escolhido para a seleção do Campeonato Baiano, conquistado pelo Esquadrão.

“Foi uma temporada boa, acho que poderia ter sido melhor, principalmente o 2º semestre, mas o 1º semestre foi importante, tanto para jogar como para amadurecer. Foi um ano diferente do que eu passei aqui no São Paulo e foi muito bom para mim”, comentou.

No 2º semestre, o meia perdeu espaço e jogou apenas cinco vezes, sendo apenas uma como titular, ainda em julho. No total, foram apenas 184 minutos dentro de campo no Campeonato Brasileiro, sem gols ou assistências.

Gazeta Esportiva