Um dos principais nomes do elenco do São Paulo, Everton está novamente à disposição do técnico Fernando Diniz. O jogador, que não disputa uma partida oficial desde setembro do ano passado, está recuperado da lesão parcial no ligamento cruzado posterior do joelho esquerdo, porém, para chegar em forma na pré-temporada tricolor, foi preciso suar bastante durante as férias, abdicando até mesmo de uma folga no Natal.

Foi em Itapema, cidade próxima a Balneário Camboriú, no litoral catarinense, que Everton concentrou seus esforços para se recondicionar fisicamente. Para isso, ele apostou em Fábio Zucki, profissional de educação física que foi indicado pelo goleiro Tiago Volpi, que já conhecia seu trabalho pelo fato de seus pais frequentarem a academia que ele coordena.

“O Everton me procurou bem próximo do Natal, por volta do dia 18, 19 de dezembro por indicação do Tiago Volpi, que é meu conhecido. Já sabia do caso do Everton porque sou torcedor do São Paulo, então estava por dentro, acompanho as notícias”, afirmou Fábio Zucki à Gazeta Esportiva.

Ciente da necessidade de correr atrás do prejuízo depois de se limitar ao Reffis no último trimestre de 2019, Everton contou com uma programação especial desenvolvida pelo departamento físico do São Paulo e que foi implementada por Fábio Zucki no período em que trabalharam juntos em Itapema. Foram dez dias de treinamento, que terminaram na véspera da reapresentação do elenco. Sim, o meia-atacante seguiu à risca os trabalhos propostos até a última terça-feira.

“O São Paulo estrutura muito bem toda a parte de preparação física. Ele chegou com uma preparação totalmente feita para que eu pudesse colocar em prática. Então, procurei não modificar muita coisa da preparação feita pelo clube. Segui a periodização que o São Paulo mandou para o Everton e fiz pequenos ajustes conforme o dia a dia dele, porque estamos falando de individualidade biológica. No período de férias, acaba que o jogador tem outro ritmo de vida, sono, alimentação, e isso acaba interferindo em alguns quesitos específicos”, afirmou o personal trainer.

A maratona de treinos de Everton começou no dia 22 de dezembro. Já nos primeiros trabalhos o jogador não se queixava de muitas dores no joelho, embora elas ainda existissem. Com o auxílio de uma planilha elaborada pelos profissionais do São Paulo, o jogador evoluiu ao longo de suas férias e deixou Santa Catarina já sem qualquer tipo de incômodo, uma vez que os treinos foram focados, principalmente, na mobilidade articular, até pelo fato de seu estilo de jogo depender bastante disso, uma vez que está acostumado a atuar pelos lados de campo.

“Eles se preocuparam muito em dar um trabalho de mobilidade articular para esse atleta. A base inicial era sempre voltada para a mobilidade articular, trabalhos de propriocepção, equilíbrio neural que se tem nas pisadas e nas passadas, algo que também estava incluso bastante. Ele mesclou treinamentos de força e potência, ainda mais com as características do Everton, que joga pelo lado do campo, é explosivo. A gente tinha dias de trabalho de mobilidade com força, com potência, e ainda trabalhos à parte com treinamentos intervalados, voltados mais para a melhoria da performance cardiorrespiratória”, explicou Zucki.

Além da lesão ligamentar, Everton também desfalcou o São Paulo em algumas outras oportunidades por problemas musculares. Em fevereiro de 2019, ainda no Campeonato Paulista, o jogador sofreu um estiramento na coxa esquerda e teve de ser substituído no intervalo do clássico contra o Corinthians. Depois, em junho, contra o Avaí, pelo Brasileirão, ele voltou a sofrer estiramento, desta vez na coxa direita, desfalcando o Tricolor por mais algumas partidas. Diante de um quadro bastante delicado, coube ao jogador apostar todas as suas fichas em uma preparação de ponta durante as férias para, enfim, deixar o fantasma dos problemas físicos para trás.E, aparentemente, isso tem dado certo. Nesta quarta-feira, Everton voltou a treinar normalmente com o restante do elenco e, após a primeira atividade, relatou ao personal trainer que coordenou seus trabalhos durante as férias que, apesar de exausto, não sentiu incômodos físicos.

“O pensamento de todo atleta profissional, não só de futebol, mas de todo atleta que atua em alto nível passa pela preocupação com o condicionamento físico deles. Todo atleta que se preocupa em se preparar, retorna melhor condicionado’, concluiu Fábio Zucki.

Gazeta Esportiva