Torcedores, jogadores, comissão técnica e dirigentes sabem que parte dos fracassos esportivos e financeiros do São Paulo em 2019 tiveram origem na eliminação da Copa Libertadores, antes mesmo de chegar na fase de grupos da competição. Em 2020, com vaga e seis jogos garantidos no torneio continental, a história será diferente e terá impacto significativo tanto nos cofres do clube quanto na motivação dentro de campo com participação das arquibancadas.

A queda para o Talleres-ARG, na Segunda Fase da Liberta de 2019, em fevereiro, após derrota por 2 a 0 fora de casa e empate em 0 a 0 no Morumbi, foi um trauma no elenco são-paulino levado para o restante da temporada. Tal tragédia trouxe diminuição de receitas, prejuízo futebolístico e a desmotivação do torcedor. Pablo explicou como aquilo atingiu o grupo durante o ano.

– Eu acho que aquele lance da pré-Libertadores a gente sentiu muito, acho que ali começou a oscilar bastante, a gente conseguia ganhar alguns jogos, perdia outros, aqueles altos e baixos, cobranças, a gente sabe que jogar no São Paulo tem muita pressão – disse o atacante após a penúltima rodada do Brasileirão.Após garantir vaga entre os seis primeiros colocados da competição nacional, veio o alívio por poder competir com todas as potências que estarão na Liberta e ter seis jogos confirmados, três deles dentro de casa, que renderam premiação de um milhão de dólares cada um (R$ 4 milhões), ou seja, somente na fase de grupos o Tricolor embolsará R$ 12 milhões em prêmios, sem contar a renda com bilheteria, já que a expectativa é de casa cheia no Morumbi.

Para se ter uma ideia, no jogo de volta contra o Talleres, a renda foi de R$ 3.032.195,00 para um público pagante de quase 45 mil torcedores, que poderia ser maior se a ida não tivesse afastado o otimismo do são-paulino, ou seja, a renda bruta esperada para as partidas do ano que vem na Liberta é maior. Se pensarmos que o clube lucra cerca de 70% com bilheteria, não é exagero projetar uma renda líquida maior do que R$ 2,1 milhões por rodada em casa.

No orçamento para 2020, o clube projetou receitas pelo menos até as oitavas de final da Libertadores, o que renderia aproximadamente mais R$ 4,25 milhões. Se depender da motivação dos jogadores, e do entendimento do elenco sobre a importância da competição, essa premiação tende a ser maior. Mesmo durante as férias, Tchê Tchê quer voltar bem já pensando no torneio.

– Sou uma pessoa que pensa muito com os pés no chão, quero voltar bem para poder continuar jogando, estar na melhor forma, porque ano que vem tem Libertadores, que é algo muito importante para o clube e para a carreira do jogador também. Expectativa é a melhor possível – declarou em seu Twitter.

Tiago Volpi e Igor Vinícius, que garantiram suas permanências no São Paulo para 2020, e Juanfran, que disputará sua primeira Copa Libertadores, também declararam suas expectativas para o torneio continental.

– O torcedor esteve conosco nos momentos difíceis, e agora vamos em busca dos nossos objetivos em 2020. Levarei esta motivação para a próxima temporada, conto com o nosso torcedor no Morumbi em noite de Libertadores – afirmou o goleiro após sua contratação em definitivo.

– Todo atleta quer sentir este clima, principalmente no São Paulo, e quero entrar com tudo na competição. A história do São Paulo exige isso – disse o jovem lateral depois de ser comprado junto ao Ituano.

– Nós somos um time campeão, com uma grande história, e com humildade. Temos de ir pouco a pouco. Toda a torcida sabe a ilusão que temos de fazer uma grande Libertadores. Sou uma pessoa positiva e penso que faremos uma grande Libertadores – garantiu o espanhol.

O São Paulo começa a disputar a Libertadores-2020 no dia 5 de março, uma quinta-feira, às 23h (de Brasília, 21h no horário local), no Estádio Guillermo Briceño Rosamedina, no Peru, contra o Binacional, a 3,8 mil metros de altitude. Além dele, estão no Grupo D o River Plate-ARG e a LDU-EQU.

Lance!

Anúncios