Em dezembro de 2018, o torcedor do São Paulo passou a sonhar com títulos. A empolgação se devia ao anúncio do retorno de um Profeta. Afinal, em 2017, Hernanes havia jogado tão bem que, praticamente sozinho, tirou o time da zona do rebaixamento do Campeonato Brasileiro. As expectativas, então, era enormes: aquele mesmo jogador voltaria para uma base mais forte. Até agora, porém, o veterano não conseguiu reeditar os seus melhores momentos, perdeu espaço na equipe e até mesmo virou alvo de críticas em protestos. Neste fim de temporada, o meio-campista tenta se reencontrar e entender os motivos para não ter correspondido da maneira esperada.

Amanhã (24), no Castelão, contra o Ceará, ele deve aparecer apenas como opção no banco para o técnico Fernando Diniz. Alguns fatos ajudam a explicar a situação do jogador de 34 anos, que ainda tem contrato com o São Paulo até 31 de dezembro de 2021.

Em 2017, Hernanes criou um patamar de excelência muito difícil de ser alcançado. Apesar de ter estreado praticamente no meio da Brasileirão, foi considerado um dos melhores jogadores da competição e passou a ser cotado para voltar à seleção brasileira. Mesmo sem ser um atacante, balançou as redes nove vezes e deu três assistências em 19 partidas.

Nem mesmo quando ganhou o nacional pelo São Paulo, em 2007 e 2008, apesar de ter sido um dos principais nomes do elenco, ele apresentou números tão impressionantes quanto os de 2017. Porém, após brilhar no time de Dorival Júnior, ele teve de voltar para o Hebei Fortune, da China.

No ano passado, ele entrou em férias após a vitória do Hebei Fortune por 2 a 1 sobre o Beijing Guoan, no dia 11 de novembro. Ou seja, ficou cerca de um mês a mais sem entrar em campo em relação ao restante do elenco. A falta de ritmo custou caro durante a pré-temporada do Tricolor paulista, em janeiro. Para piorar, o time já tinha logo de cara a disputa da fase eliminatória da Copa Libertadores, em que o Tricolor paulista fora eliminado pelo Talleres, da Argentina.

Para complicar ainda mais a situação, o meio-campista sofreu com lesões e, como todo o elenco, com as trocas de técnico no São Paulo (que teve André Jardine, Vagner Mancini, Cuca e Fernando Diniz). No total, até agora, Hernanes disputou 39 partidas e marcou cinco gols.

UOL