Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, carrega o fardo de o São Paulo ainda não ter conquistado um título em sua gestão. Desde outubro de 2015 como presidente do clube, Leco é o 13º dirigente tricolor que não ergueu uma taça em seu mandato, porém, se destaca ainda mais por ter sido um dos poucos desse seleto grupo que não renunciaram ao cargo. Vale lembrar que em sua gestão o Tricolor faturou a Copa Flórida, torneio que não é considerado no levantamento.

Segundo levantamento do historiador Alexandre Giesbrecht, do Jogos do São Paulo, dos 13 presidentes que não conquistaram um título pelo São Paulo, sete renunciaram (João Baptista da Cunha Buerno, Manoel do Carmo Mecca, Frederico Antônio Fermano Menzen, Cid Mattos Vianna, Piragibe Nogueira, Paulo Machado de Carvalho e Carlos Miguel Aidar) e um morreu com apenas uma semana de gestão (João Thomas Monteiro da Silva).

Dos cinco presidentes que não renunciaram, três permaneceram somente um ano ou menos no cargo. Apenas Leco e José Douglas Dallora despontam na lista como mandatários que seguiram no cargo por mais de um ano mesmo com o São Paulo não faturando qualquer troféu.

Os outros presidentes que seguiram firmes no cargo mesmo com a seca de títulos do Tricolor não permaneceram por muito tempo sentados na cadeira presidencial. Luis Oliveira de Barros, responsável por fazer o São Paulo fechar as portas por conta de desavenças políticas e dificuldades financeiras, ficou pouco mais de dois meses exercendo o cargo, em 1935. O primeiro mandato de Paulo Machado de Carvalho, por exemplo, durou nove meses em 1940. Até mesmo uma Junta Provisória chegou a governar o clube, entre junho e setembro de 1938.

Outro fato que chama a atenção é que antes de 1998 o São Paulo jamais tivera um novo presidente com mais de 54 anos. Naquele ano, José Augusto Bastos Neto assumiu a presidência do São Paulo com 62 anos. De lá para cá, o clube mudou drasticamente o perfil de mandatários, já que desde então nenhum deles assumiu o posto com menos de 62 anos.Desde 1988, passaram pelo São Paulo Juvenal Juvêncio, José Eduardo Mesquita Pimenta, Fernando José Casal de Rey, José Augusto Bastos Neto, Paulo Amaral, Marcelo Portugal Gouvêa, Juvenal Juvêncio novamente, Carlos Miguel Aidar e, por último, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco.

Desse grupo de experientes dirigentes, o que alcançou um sucesso notável foi Marcelo Portugal Gouvêa. Em sua gestão, foi construído o CFA Laudo Natel, em Cotia, além de o time profissional ter faturado o Campeonato Paulista, a Libertadores e o Mundial de Clubes em 2005. Já na segunda passagem de Juvenal Juvêncio pela presidência, o Tricolor acabou se sagrando tricampeão brasileiro, entre 2006 e 2008.

Gazeta Esportiva