Daniel Alves: ‘Não sou salvador, mas sou alguém que faz a pátria melhor’

Daniel Alves continua batendo na tecla de que está no São Paulo para ajudar os outros jogadores a serem melhores. Após a derrota por 2 a 0 para o Fluminense, partida em que teve nova atuação apagada, o lateral-direito disse ser um “jogador de combinação, que não vai definir algo sozinho” e que não é um “salvador da pátria”, mas “alguém que faz a pátria melhor”.

– Vou cometer erros, vou cometer acertos, mas não vou desistir do meu objetivo aqui dentro desse clube. Eu sei das dificuldades que existem dentro do clube. Não sou um salvador da pátria, mas sou alguém que vai ajudar que a pátria seja um pouquinho melhor – disse o camisa 10.

– A gente sabe que gera um nervosismo estar há tanto tempo sem conseguir coisas importantes. É normal que os torcedores estejam enfadados, porque eles querem que o clube volte a ser que foi. A missão é árdua, é dura, difícil, é uma missão para aqueles que têm bastante colhão. É uma missão desafiadora, e por isso estamos aqui, para ser desafiados. A cobrança é normal. Quem não está disposto a ser cobrado não é merecedor de nenhum objetivo. Esse é um clube grande, um clube histórico, e por isso tomei a decisão de vir aqui. Sou um dos responsáveis por esse grupo, sei que a molecada às vezes sente um pouco a pressão, mas estamos aqui para ajudá-los, para fazê-los melhores. Esse é meu objetivo. Volto a insistir: não sou um salvador da pátria, mas sou alguém que faz a pátria melhor – emendou.

Daniel Alves tem sido escalado como lateral-direito por Fernando Diniz, mas aparece com frequência no meio de campo para tentar armar a equipe. Embora ainda não tenha conseguido se destacar muito – apesar de já ter dado três assistências, além do gol contra o Ceará, em sua estreia -, ele diz que se sente bem cômodo pelo fato de a equipe, com o atual treinador, ter um padrão que o permita tocar mais na bola. Ele já declarou outras vezes que, com Cuca, isso não acontecia.

– Volto a insistir, antes a gente não tinha um padrão que me fizesse participar. Sou um lateral de ofício, mas no decorrer do jogo eu ajudo na criação ali no meio de campo, sei que meus companheiros precisam de mim. Estou jogando em uma posição muito cômoda para mim, em que estou muito tempo com a bola, em que tento ajudar os companheiros, tento dar bons passes para que eles possam produzir. Isso é o que me fez ter uma carreira sólida. Sou um jogador de combinação, não sou um jogador que vai definir algo sozinho. Sou um jogador de equipe, e como tal tento sempre aportar para a minha equipe, seja no mental, seja no futebolístico, seja na qualidade, porque essa é minha especialidade. Sei onde estou, sei que o desafio é muito grande, mas sei da minha força e vou tentar contagiar meus companheiros.

O São Paulo volta a campo no domingo, às 16h, contra o Athletico-PR, no Morumbi. No momento, a equipe ocupa a quinta colocação, fora do grupo que vai obter vaga direta para a próxima Libertadores.

Lance!

Anúncios

40 comentários

  1. Em meio a todo esse caos, algumas observações:

    1. A quarta vaga ainda é possível.

    2. Não podemos torcer nunca para que o time não se classifique para a próxima Libertadores. Seria uma prejuízo financeiro e esportivamente incalculável.

    3. Diniz não é o problema, assim como Dorival, Aguirre, Rogério, Bauza e Cuca não eram. Precisamos direcionar as críticas a quem merece.

    4. Diniz precisa de tempo. Está a somente 2 meses em um clube morto por dentro e por foda. É inadmissível trocar o técnico pela quinta vez no ano.

    5. Vamos torcer neste final de ano, precisamos apoiar, apesar de tudo e todos. Caso não nos classifiquemos para a Libertadores ano que vem, com a quantidade de medalhões no elenco, dívidas e prejuízos, viveremos um novo 2013 em breve.

    Vamos à luta! Dale tricolor!

  2. Sempre foi um bom coadjuvante! O Rai o quis transformar em estrela do seu excelente trabalho; virou um elefante no meio do salão vermelho do Morumbi.

  3. Duas receitas Telê Santana para Diniz com ajuda do master chef Daniel Alves formado por Guardiola:

    1ª. Tem que treinar os atacantes para penetrar na defesa adversária e receber a bola em profundidade para finalizar. Hoje, os atacantes apenas vão para trás, para receberem a bola livre, mas logo se livram dela jogando de lado. Os pontas fazem o mesmo, e quando recebem a bola não vão à linha de fundo, não cruzam para pegar os atacantes de frente — apenas jogam de lado e para trás. Desse jeito, o meio de campo fica sem alternativa – se ninguém se infiltra para receber o passe vertical, então o meia tem que tocar de lado num jogo improdutivo. Esse vai e volta de lado, todo jogo, só se muda com treinamento específico. É trabalho do técnico. É trabalho do Diniz.

    2ª. Tem que treinar chutes a gol, mas com bola rolando e adversário acossando, para arremates certeiros de primeira. Não precisa força excessiva no chute, mas precisão – tem que pegar bem na bola e tirá-la do goleiro. Todos os nossos atacantes têm errado demais esse fundamento de finalização. Para corrigir isso, só treinando exaustivamente. Esse treino tem que ser específico, como se faz hoje com os goleiros, e que mudou em definitivo a maneira de se atuar no gol. Isso tem que ser feito agora com atacantes e defensores, por auxiliares técnicos especializados nessa modernidade.

    Diniz, vê se toma jeito — lê o “Livro de Receitas Telê Santana” e comece a praticar com essas duas receitinhas aí, com ajuda do Daniel.

  4. Falta sensibilidade pra quem tá no meio do futebol se colocar no lugar que lhe é devido no momento. O Volpi poderia adotar uma postura de cobrança, o Bruno Alves poderia adotar uma postura de cobrança. O Raí deveria adotar uma postura de cobrança. Mas o resto que não tá jogando p** nenhuma deveria calar a boca, parar de pagar de intelecutal e treinar forte pq não tá rolando ficar nessa lenga-lenga sem sentido e na hora do vamos-ver jogar um futebol pífio.

    Não é a primeira do Dani Alves e considerando o histórico incinerador do “ambiente SPFC” não falta muito pra ele se queimar.

  5. Ta jogando por nome….mas quando escalado treinador o coloca com posicionamento ridiculo…fechar para o o meio..com isso impede a dobradinha com Anthony, sempre a mesma jogada…time mal treinado da nisso..prefiro ele no meio e Juanfran na lateral…isso fora de casa…em casa coloca Igor Vinicius.

    • Pensa a mesma coisa, querer que ele jogue da mesma maneira que jogava mo Barça, Brasil, PSG e Juventus é ridículo, tem que definir e fazer ele jogar com o que temos.
      Bola o cara tem !

    • Amigo , se vc referiu a mim fazer parte bando de vaga….sorte a sua nao estar perto..pois uma pessoa ofender a outra sem conhecer…certamente quebraria vc no meio….senao referiu a mim peço lhe desculpas…

  6. – Juanfran reserva desse time ?
    – Hernanes (mesmo em má fase) reserva desse time ?
    – O que o Jucilei fez pra merecer a titularidade ? Tá jogando muito mais que o Luan que vinha numa crescente ?
    – Tche Tche intocavel ?
    – Igor Vinícius, na melhor fase, nunca mais jogou ?
    – Daniel Alves sem posição definida ainda ?
    Xiiiiii tem cara perdidinho e aí …

  7. Eu acho que o Blog poderia fazer uma campanha e deixar um texto fixo no inicio do blog (igual ao das camisas) contra o Leco e exigindo melhora e transparência nas ações dele. Não é muito mas já é alguma coisa.

  8. Eis o melhor LD do mundo que nao vai a linha de fundo. Tao estranho isso.
    Tive a ‘infelicidade’ de ver Cafu e Jorginho. Laterais que corriam de linha a linha e colocavam a bola na cabeça do atacante. Me acostumei mal.
    Até o Maicon fazia bem isso. Maicon qur inclusive colocou o ‘melhor ld do mundo’ no banco em 2 copas do mundo.

  9. Raí precisa agir rapidamente. Nos 3 jogos contra as marias, Guarani da capital e FluminenC, ficou mais do que provado que Fernando Diniz não tem a menor qualificação para dirigir o SPFC. Portanto, precisamos d eum treinador de escopo, um estrangeiro. Eu escolheria André Vilas Boas. Acho que ele está na China, não sei como está , mas valeria a pena tentar . Se não der, insiste com SanPaoli mesmo. o que não pode é iniciar 2020 com um paspalhão , um pardalzão como esse Diniz.

  10. Falou, falou, falou e falou (muito!) e não disse nada… usa umas palavras que acho que nem ele sabe o que significa pra florear a resposta, mas não responde nada…

    Joga bola meu filho, joga bola que você sabe… fale menos e jogue mais…

    Ultimamente quase tudo referente ao SP está irritando, mas nada se compara a essas entrevistas de jogadores de futebol…

  11. Tem que manter no time.

    Se puser no banco ou rescindir contrato, o que é que vão fazer com aquele mundo de camisas azul-turquesa personalizadas com o nº 10 e o nome dele que estão custando uma fortuna na lojinha da amiga do Leco?

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!