Conhecido pela agressividade, Diniz se destaca no São Paulo pela defesa

As primeiras ideias associadas ao estilo de Fernando Diniz normalmente são a ofensividade, troca de passes e a agressividade. Mas no começo de trabalho do treinador no São Paulo, um aspecto vem se sobressaindo em relação aos demais: a solidez defensiva.

O clube do Morumbi tem a melhor defesa do Campeonato Brasileiro com 17 gols sofridos em 27 rodadas, média de 0,63 gol por jogo. Com Diniz, a marca é ainda melhor, 0,33 tentos por partida, com apenas dois levados em seis confrontos.

Após assumir o São Paulo, Diniz viu sua equipe empatar sem gols com o Flamengo no Maracanã; sofrer um gol na vitória por 2 a 1 para o Fortaleza no Morumbi; empatar sem gols mais uma vez, agora com o Bahia fora; vencer o Corinthians por 1 a 0 no Morumbi; sofrer gol na derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro no Mineirão; e novamente passar em branco no triunfo por 1 a 0 contra o Avaí em casa.

No campeonato todo, o Tricolor não sofreu gols em 12 das 27 rodadas, sendo quatro já sob comando do novo treinador. Com Diniz, aliás, a equipe também não levou mais de um tento por partida. Ao todo o time é o 4º em desarmes, o 5º que menos tomou dribles e o 2º que menos sofreu finalizações ao gol.

“Acho que cada treinador que passa deixa alguma coisa, e não é só agora, já tínhamos uma consistência defensiva, o primeiro objetivo é não tomar gol, porque confiamos nos companheiros lá na frente. A concentração, o treino de todo dia faz com que a gente mantenha essa liderança lá atrás”, disse Arboleda, autor do gol da vitória do último domingo.

“O Fernando Diniz sempre bate na tecla quando vai conversar com a gente, que a gente tem que atacar marcando. Então, a gente procura atacar já encaixando a marcação, ele se preocupa muito com o sistema defensivo, fala que a prioridade é não tomar gol para fazer lá na frente. O ataque tem ajudado a gente a se defender, ficamos felizes por estarmos colhendo os frutos”, destacou Bruno Alves.

Gazeta Esportiva

Anúncios

8 comentários

  1. Mais ele foi contrato por ser agressivo e não esta fazendo vale o contrato !! Espero q mude isso Porq não aguento mais ver toque pra trás pro lado sem objetivo, melhor perder jogando bonito q ganhar de 1 a 0 com mais posse de bola porém na zaga não adianta

  2. Eu penso assim….Nosso elenco é muito fraco. Não importa nomes ou melhor, importa sim. Nosso conjunto de jogadores apresenta um Qi muito baixo para os padrões que determinam um bom jogador.
    Não é só físico, aliás, nunca foi. O raciocínio rápido alia-se a tudo. Perspicácia, atitude, determinação, calma, fala, visão e muito mais.
    Não adianta cobrar treinador se a pessoa (jogador) não tem lampejos de intelecto e memória. Pode treinar um ano que não vai render 50%. A tempos venho falando sobre o nível intelectual dos jogadores que chegam ao SPFC. Lembram do “quarteto fantástico” ? Ganso, Pato, Alan Kardec e Kaká?? São jogadores acima da média. Façam um traçado em campo, analisem desde o goleiro até o centro avante, quantos jogadores apresentam um comportamento no mínimo bom com uma nota de média 6? Para mim é assustador. É claro, são minhas observações. Mas, para quem entende um pouco de futebol, acho que irão se surpreender.

  3. Bom,parece que o Fernando Diniz deu uma evoluida no sistema defensivo do time,agora falta ele realmente implementar a verdadeira filosofia de jogo dele, que e um ataque fazedor de gols.No futebol o que interessa é bola na rede,pois foi dessa maneira que o mestre Telê Santana ajudou a engrandecer o nosso São Paulo com títulos memoraveis

  4. O sistema defensivo é herança do Aguirre! O time desde sua saída não sofre defensivamente, mesmo com o Jardine, o time era consistente. Agora a características dos jogadores do meio pra frente é de condução de bola, e sem verticalidade, temos que ficar torcendo para o Pato, agitar o sangue de barata, porque é um dos poucos que chuta a gol, ao lado de Igor Gomes, Pablo e Toró.

  5. Parece que as últimas demissões mudaram o estilo Fernando Diniz. Hoje está igual aos outros apenas garantindo seu emprego (3/4 volantes em campo). Espero que depois de uma posição mais tranquila no G4 ele volte ao seu normal. Se não fizer isto seu emprego só vai até o final do ano. Aliás em 2020 vamos ter um recorde de treinadores estrangeiros. Ex. Cam e Internacional com treinadores só até o final do ano.

  6. Matéria péssima. O fato do SP não sofrer gols é algo observável desde o início do campeonato. Não é algo que esteja especificamente relacionado ao Diniz. O que se pode atribuir como impacto de Diniz no time é a melhora na posse de bola, agressividade e triangulações, embora tímidas até agora, tendo em vista o período curto de trabalho. Contra o Avaí era pra ser goleada, mas o time perdeu gols que não pode perder. Mas naquele segundo tempo, o time deu mostras de como pode ser com Diniz. E Diniz deve ter aprendido que precisa escalar mais jogadores ofensivos e esquecer essa história de usar com Tchê Tchê quase como um ponta.

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!