Careca diz por que São Paulo vive ‘seca’ de gols, dá dica e sugere ‘preparador de atacantes’

Alexandre Pato, jogador do São Paulo x Bahia, partida válida pela Copa do Brasil 2019, na capital paulista. estádio do Morumbi 22/05/2019, Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

Hoje mandei um whatsapp para o meu amigo de profissão “Carecone”. Participamos da cobertura Copa de 2014 juntos e de outras matérias ao longo da carreira. E perguntei para ele o que acontecia com os atacantes de hoje. Para quem não viu Careca jogar, não sabe o que perdeu. Era um centroavante que sabia fazer gols. Diria que 1986 foi o seu grande ano no futebol. Disputou a Copa do México e anotou cinco gols, um a menos do que o artilheiro inglês Gary Lineker. Faturou o título Brasileiro pelo São Paulo contra o Guarani, clube onde foi revelado, e terminou o torneio como artilheiro: 25 gols.

Careca disse no whatsapp que quando jogou no Guarani, ele e Jorge Mendonça, outro craque, fizeram juntos quase 60 gols em um campeonato. Fazer gols para ele era fácil, estava no sangue. Aliás, ele foi o autor do título do Guarani no Campeonato Brasileiro de 1978 contra o Palmeiras. Careca tinha apenas 17 anos. O único título brasileiro de um clube do interior.

No Bugre, Careca atuou em 252 jogos e marcou 109 gols. No São Paulo, 115 gols em 191 partidas. No Napoli, fez 95 gols em 221 jogos. Na Itália, conquistou a Copa da UEFA (1988-98). O Italiano Serie A (1989-90) e a Supercopa Italiana (1990). Careca conquistou a Europa e os italianos. Fez história ao lado de Diego Armando Maradona. O camisa 10 da seleção argentina faturou a Copa de 1986 praticamente sozinho no México e foi eleito o melhor do Mundial. Curiosamente, encerrou a competição com o mesmo número de gols de Careca. No ano seguinte começaram a trajetória vitoriosa na Itália.

Mas deixa eu voltar ao assunto principal. Entrei em contato com o mestre Careca para falar sobre a falta de gols e de talento dos atacantes do São Paulo. Se ele tinha a resposta para a seca de gols do seu ex-clube. Depois de citar os quase 60 gols em parceria com Jorge Mendonça no Guarani, o ex-centroavante disparou.

“Hoje perdemos a referência, só temos atacantes, não goleadores. Treinávamos finalizações até ficar com dores musculares. Hoje estão pensando só em potência, potência e nada de aprimorar finalização, a forma justa de bater na bola, tirando dos goleiros que também evoluíram muito, com agilidade e altura. Precisamos criar os treinadores de atacantes goleadores, como criaram os dos goleiros que cresceram muito de qualidade”.

Curiosa essa leitura de um centroavante que sabia fazer gols. O homem que deixava os goleiros no chão, hoje se rendeu aos gigantes que deixaram o gol menor e hoje aterrorizam os atacantes.

Blog do Sartori – FOX

Anúncios

27 comentários

  1. Atacante que não sabe fazer gols, laterais que não sabem cruzar, meias que não acertam lançamentos, escassez de bons cobradores de faltas.
    Alguém se lembra de quantas faltas o Rogério cobrou em treinos antes de ir bater oficialmente?
    Alguém se lembra de Mestre Telê e Cafu, treinando cruzamentos?
    Esses dias vi um video medíocre do Marcelinho Carioca, ensinando a bater faltas. Sabe o que é pior? Tem muita gente que deveria assistir.
    Já que tem Cotia, coloquem profissionais responsáveis por cada fundamento, não adianta depender só da evolução, tem que existir repetição

    • Rapaz, já falei isso aqui no blog várias vezes.
      Tinha que contratar um Serginho ou Junior, Cicinho ou Cafú e ensinar esses laterias como jogar. Gustavo Nery, André Luis, entre outros. Atacantes como Luis Fabiano, Careca, Luizão, Amoroso, Dodo, França deveriam fazer aulas para os meninos de Cotia uma vez por semana. E, também, para os profissionais.

  2. ha anos q falo isso, e nao so treinador de atacantes, de meio campistas, laterais, zagueiros…enfim formar uma equipe, so p treinar fundamentos! E criar uma metodologia, monitoramento constante de treinos e jogos, nao bateu indice de acerto, vai fazer intensivo, ta suspenso, vai treinar fundamentos, jovens q sobem, e jogam pouco, promessas vindos de outros clubes, como disse o careca, vai treinar ate doer

  3. Chama o Getúlio pra ensinar os laterais a cruzarem com efeito, redondinha na cabeça dos atacantes, chama até o ex-ponta Paraná que sabia cruzar como ninguém. Chama o Serginho pra ensinar como se empurra a bola pra dentro. Por um bom cachê, eles vem.

  4. Mudando de assunto, tem uma relação no site do lance listando os principais jogadores em fim de contrato. Acho que o tricolor poderia ter interesse nesses três:

    Gustavo Henrique, zagueiro do Santos, já comentado por aqui.

    Yoni Gonzáles, ponta do fluminense, veloz e faz gols, já trabalhou com o Diniz.

    Thiago Galhardo, meia do Ceará, típico meia que entra na área driblando e fazendo gols.

    Tem até o Rodolpho, nosso ex zagueiro que está na flamidia. Esse não tenho certeza se seria uma boa…

    E aí, o q vcs acham?

    • 3 boas indicações Jefferson,Gustavo acho muito difícil,vai haver leilão, Yoni acrescentaria bastante em nosso ataque,mas o que mais me agradaria seria o Galhardo,acho que daria um up em nosso meio campo,não temos ninguém assim em nosso elenco.

    • O Guarani da capital já está em negociação como o Gustavo henrique. esse , o SPFC já perdeu. E, francamente, Arbolenda é melhor do que ele

      • Arboleda é bom rebatedor…só! Concentrado…nem sempre…caneludo. A saída de bola é horrível…deprimente…Walce será 10 x melhor…falta experiência.

  5. Isso e fácil de explicar, quem assiste o programa da ESPN(Resenha) e do SporTV(Boleiragem), os ex jogadores sempre falam que hoje em dia o depto de fisiologia não deixa os jogadores ficarem treinando faltas, chutes, para não ter desgaste muscular.

  6. Os jogadores de hoje contratam e derrubam técnicos, se sentem acima do bem e do mal, acho difícil admitirem que precisam treinar fundamentos…

  7. Careca não se rendeu à nada como o imbecil que escreveu a matéria disse, apenas disse o que está à olhos vistos, as estrelinhas que fingem que jogam bola hoje não treinam

    • Minha opinião a respeito disso, a partir da visão do careca, é de que, nos últimos anos, com intuito de evoluir a formação de jogadores na base, e de correr atrás do futebol praticado na Europa, os treinadores privilegiam a formação do jogador no coletivo, mais tática, mais posicional, pra que ele se encaixe facilmente no futebol europeu. Isso em si não é ruim, no entanto, no meio desse caminho, para conseguir esse objetivo, investe-se nas bases em treinadores estudiosos, que racionalizam demais o futebol, e acabamos perdendo na parte empírica do futebol, ou seja, o jeito de bater na bola, de dominar, enfim, a técnica para executar os fundamentos.

      A tradição do nosso futebol sempre foi a formação de bons jogadores, individualmente falando, que eram técnicos e habilidosos. Nossos treinadores, em virtude disso, sempre montaram seus times a partir da parte empírica, ou seja, a partir do elenco, o treinador pensava no melhor modo de encaixar os melhores, era a tática que se encaixava nas características dos jogadores e não os jogadores que se encaixavam na característica da tática e do sistema de jogo, desse modo se montaram as seleções de 70 e 82, que tinham 04 ou 05 camisas 10 no time. Hoje, com os esquemas modernos como o 433, não se joga mais com o camisa 10, ponta de lança e nem com o segundo atacante.

      Deveríamos ter aperfeiçoado a consciência tática na formação de base, mas sem sacrificar a formação individual do jogador. Deveríamos encorajar os jogadores de base a errar mais, e não ficar fazendo levantamento percentual de passes certos, encorajar passe vertical, mais passivo de erro, do que passe curto pro lado que o cara não erra nunca mas não leva a lugar nenhum.

  8. Será que ninguém vê.
    Hernanes, ex jogador 700 p mês
    Pato ex jogador 1000 p mês
    Jucilei ex jogador 700 p mês
    Daniel Alves ex jogador 1500 p mês
    Everton ex jogador 6000 p mês
    Pablo ex jogador 600 p mês.
    Depto médico não funciona.
    Fora Raí, Leco, Pássaro, Lugano etc etc.

    • Carlos, se nosso departamento médico/fisíco funcionasse, tenho certeza que esses jogadores estariam brigando pelo título.
      Também vejo um erro comum cometido pelos 2 últimos técnicos. Vou citar apenas o exemplo do Diniz no jogo contra o Cruzeiro.
      Time joga bem no final de semana e o Diniz resolve colocar Juanfran, visivelmente sem condições de jogo no lugar do Igor Vinícius, Daniel Alves após chegar de uma viagem de mais de 10 horas, Hernanes que ainda não está 100% e o Pato visivelmente fora de forma, além do Antony que não vinha treinando com o time por estar na seleção e foi direto para Minas.
      Veja, você implantando uma nova filosofia de jogo e coloca 2 jogadores que (um deles ainda com desgaste de viagem) não estão treinando com o time, além de jogadores fora de forma e vai esperar um bom resultado?
      O Cuca também fez algo parecido quando chegaram Daniel Alves e Juanfran.

      • Excelente, Ebertorio, voce foi cirúrgico, uma pena que fernando Diniz não tenha se apercebido da situação. Pagamos caro por essa falha de procedimento dele.

    • Sai daí corneteiro, tenho q certeza q vc foi um dos q comemoraram essas contratações……o problema do elenco ainda é ter dois bons lateriais….assim como fez o Flamengo….tinha uma constelação, mas não tinha bons lateriais…..contrataram Rafinha e Filipe Luiz…..daí até o Arão virou craque de bola!

    • Pare de agredir nossos craques: hernanes, pato e daniel Alves são comprometidos, o que não funciona no SPFC é a infra-estrutura do reffis, destruido pelo megalomaníaco jumental Jumencio

  9. Ótima sugestão do Careca. Mas o problema e que hoje os preparadores não deixam os jogadores treinarem a exaustão…por isso que não existem mais os grandes cobradores de falta, por exemplo…o jogador da 5 chutes e aí não deixam ele chutar mais…o treinador não tem poder sobre isso pq e coisa “técnica” dos doutores da equipe. Assim, não adiantará haver treinadores de laterais, de cobradores de faltas, de atacantes…os goleiros evoluíram porque? Treinamento exaustivo…já os goleadores diminuíram…o Brasil vive uma escassez…depois da aposentadoria de Romário,Ronaldo, Adriano, Luiz Fabiano…com raras exceções como Fred q já não e tão bom, acabaram nossos goleadores…um jogador esperto e dedicado, deveria treinar por fora do clube, ter seu próprio treinador de fundamentos…bater 150 faltas por dia

  10. Se o Careca tivesse uns dez anos a menos e fizesse uma pré temporada boa, ainda teria lugar fácil no futebol brasileiro. Para mim, foi o melhor atacante que vi jogar com nossa camisa!!!!

  11. Minha opinião a respeito disso, a partir da visão do careca, é de que, nos últimos anos, com intuito de evoluir a formação de jogadores na base, e de correr atrás do futebol praticado na Europa, os treinadores privilegiam a formação do jogador no coletivo, mais tática, mais posicional, pra que ele se encaixe facilmente no futebol europeu. Isso em si não é ruim, no entanto, no meio desse caminho, para conseguir esse objetivo, investe-se nas bases em treinadores estudiosos, que racionalizam demais o futebol, e acabamos perdendo na parte empírica do futebol, ou seja, o jeito de bater na bola, de dominar, enfim, a técnica para executar os fundamentos.

    A tradição do nosso futebol sempre foi a formação de bons jogadores, individualmente falando, que eram técnicos e habilidosos. Nossos treinadores, em virtude disso, sempre montaram seus times a partir da parte empírica, ou seja, a partir do elenco, o treinador pensava no melhor modo de encaixar os melhores, era a tática que se encaixava nas características dos jogadores e não os jogadores que se encaixavam na característica da tática e do sistema de jogo, desse modo se montaram as seleções de 70 e 82, que tinham 04 ou 05 camisas 10 no time. Hoje, com os esquemas modernos como o 433, não se joga mais com o camisa 10, ponta de lança e nem com o segundo atacante.

    Deveríamos ter aperfeiçoado a consciência tática na formação de base, mas sem sacrificar a formação individual do jogador. Deveríamos encorajar os jogadores de base a errar mais, e não ficar fazendo levantamento percentual de passes certos, encorajar passe vertical, mais passivo de erro, do que passe curto pro lado que o cara não erra nunca mas não leva a lugar nenhum.

  12. Agora, jogador não pode passar pela base e subir ao profissional não sabendo chutar como é o caso do Antony. falha grave de Cotia. Será que vão trabalhar para melhorar isso?

  13. É muito tempo com “campo reduzido”…jogador só treina passe de até 5 m. Falta coletivo, no campo normal e treinamento de finalização, cruzamento, marcação, recomposição, etc…Mas principalmente coletivo!

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!