O clássico entre São Paulo e Corinthians, neste domingo (13), às 18h, no Morumbi, será um confronto especial para o atacante Alexandre Pato. Esta é a primeira vez que o jogador enfrenta o rival, onde atuou em duas temporadas (2013 e 2014), no estádio do Tricolor, vestindo a camisa do São Paulo. 

Neste ano, o jogador enfrentou o Corinthians pelo primeiro turno do Brasileirão, em clássico disputado em Itaquera. O jogo acabou com vitória corintiana por 1 a 0, com gol de Pedrinho. Pato teve atuação discreta na partida. 

Pato no Corinthians: algoz Tricolor e provocações 

Na temporada de seis anos atrás, em 2013, o então camisa sete corintiano foi pedra no sapato do São Paulo, principalmente no Paulistão. Tudo começou na vitória corintiana por 2 a 1 na primeira fase de 2013, no Morumbi, que ficou marcada por uma dividida entre ele e Rogério Ceni. O goleiro são-paulino lesionou o pé neste lance, mas a arbitragem marcou pênalti a favor do Corinthians.

Pato converteu a cobrança e comemorou pedindo silêncio à torcida tricolor, uma resposta ao grito de “assassinos” ouvido pelos jogadores alvinegros antes da partida, por conta da morte do torcedor boliviano Kevin Espada, atingido por um sinalizador lançado por corintianos em jogo da Libertadores daquela temporada. 

A polêmica não ficou somente dentro de campo. Na mesma noite, o jogador postou uma foto de sua comemoração e provocou os torcedores. “Para vocês que nos chamaram de assassinos! Somos apenas jogadores tentando levar alegrias para vocês”, escreveu. Obviamente, as publicações já foram apagadas de suas redes sociais. 

O outro jogo de Pato contra o São Paulo no Morumbi aconteceu na semifinal do Paulistão. Após empate sem gols no tempo normal, o atacante converteu a última cobrança da disputa de pênaltis que classificou o Corinthians para a decisão, naquela penalidade que ficou conhecida pela ‘adiantada’ de Ceni.  

Ida ao São Paulo, pazes com Rogério Ceni e ídolo do torcida

Pato chegou ao São Paulo em 2014, envolvido em uma troca com o meia Jadson. Logo que chegou, já fez as pazes com Ceni e teve destaque. 

– O grande jogador (com quem jogou no São Paulo), que para mim foi um exemplo, é o Rogério Ceni. Por tudo que aconteceu antes, eu vir aqui e ser colega de trabalho dele, ele me receber super bem, me tratar como um amigo, me dar conselhos… Eu vim do rival, fiz gol nele, ele se machucou no lance comigo… Eu falei: “meu, como que vai ser a minha passagem no São Paulo?”. E quando eu cheguei no São Paulo quem me recebeu foi ele. Ele me ajudou bastante. As reuniões que ele fazia, as palavras que falava antes de jogos, ficam na cabeça – disse Pato, em recente entrevista à SPFCtv.

Depois de voltar ao Corinthians, onde não atuou mais, o atacante foi emprestado ao Chelsea (ING) e vendido ao Villarreal (ESP). Depois ainda passou pelo Tianjin Tianhai (CHN), antes de voltar ao São Paulo praticamente como um ídolo da torcida. 

Vale lembrar que, ao longo de toda a sua primeira passagem pelo Tricolor, entre 2014 e 2015, o atacante foi impedido de disputar Majestosos por uma cláusula contratual imposta pelo rival, já que ele pertencia ao Corinthians. Já neste ano, não disputou a final do Paulistão por ter sido contratado após o prazo para inscrições na competição.

Nesta temporada, o jogador marcou cinco gols em dezesseis jogos e é o vice-artilheiro do time, atrás apenas de Pablo, que marcou seis vezes. Mesmo convivendo com lesões, é uma das esperanças de gols da torcida são-paulina. 

Lance!