Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press

O São Paulo teve a posse de bola e mostrou valorizar a filosofia de Fernando Diniz na noite de hoje, mas encontrou um Bahia bem posicionado e não saiu do 0 a 0 na Arena Fonte Nova. O Tricolor do Morumbi até ensaiou momentos de pressão, mas não o suficiente para vencer na 24ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O empate serve ao Tricolor, que se mantém no quinto lugar e segue na zona de classificação para a Copa Libertadores. Com 40 pontos, o São Paulo volta a campo às 18 horas (de Brasília) deste domingo (13) para jogar clássico contra o Corinthians. Já o Bahia vai aos 38 pontos, continua encostado no G-6 e no sábado (12) pega o Fluminense.

Foi bem: Dupla de zaga do Bahia ganha todas

Lucas Fonseca e Juninho fizeram jogo irretocável na Arena Fonte Nova. Eles anularam qualquer jogador do São Paulo que fez função de centroavante – fosse Pablo ou Alexandre Pato, a depender das alternativas que Fernando Diniz buscou. Bem por cima e por baixo, os zagueiros deram segurança ao Bahia.

São Paulo valoriza a bola, mas chega pouco

O Tricolor alternou boas jogadas com períodos de monotonia, sendo estes mais numerosos. Dá para notar a filosofia de Fernando Diniz na saída de bola e na paciência da troca de passes (chegando a mais de 59% de posse de bola, segundo o Footstats), mas o time ainda tem grandes dificuldades para envolver o adversário. Tanto que, nesta noite, os momentos de pressão duraram menos do que a meia hora de bom futebol contra o Fortaleza, no último sábado.

Bahia se fecha e especula

O time da casa não foi para cima do São Paulo, pelo contrário: esperou o time de Diniz tomar a iniciativa para tentar explorar os possíveis erros. Em certo momento pressionou a saída de bola, mas não conseguiu muita coisa. Depois se fechou no meio-campo e aproveitou os erros de passe do time do Morumbi para sair em velocidade. No geral fez o goleiro Tiago Volpi trabalhar bastante, mas sem o volume necessário para chegar ao gol.

Diniz “perde” substituições por problemas físicos

O treinador mexeu três vezes no Tricolor, todas elas por questões físicas. Pablo saiu por um problema na coxa direita, Juanfran sentiu dores e deu lugar a Igor Vinícius, e por último Liziero foi trocado após dar sinais de cãibras.

Cronologia do jogo

Hernanes teve a primeira chance do jogo logo no primeiro minuto, após boa jogada de Pato pela esquerda. Daí em diante o São Paulo passou a trocar muitos passes, mas criar pouco. O Bahia teve o contra-ataque e chegou com perigo com Ronaldo, mas de modo geral a partida foi mais tática do que emocionante até o intervalo.

O São Paulo voltou para o segundo tempo muito mais interessado em atacar. Pressionou por alguns minutos, mas não o suficiente para abrir o placar. Alexandre Pato apareceu na cara de Douglas Friedrich duas vezes em lances seguidos, mas em ambas as vezes o goleiro saiu bem do gol e levou a melhor.

A qualidade da partida caiu na meia hora final, quando o São Paulo já não conseguia repetir seus melhores momentos. Aí o Bahia voltou a se interessar pela posse de bola e passou a ter o protagonismo do jogo. Os melhores lances foram uma tabela pelo meio da defesa, que terminou em desarme de Bruno Alves, e um chute longo de Gregore que foi espalmado por Tiago Volpi.

UOL

Anúncios