Com escassez de gols, finalizações entram em pauta no São Paulo

Foto: Léo Barrilari/GazetaPress

Quando a vitória não vem, quando a bola não entra, quando o jogo não encaixa, as críticas aparecem de todos os lados. No São Paulo, a moda agora é “cornetar” as finalizações do time, até mesmo nos treinos. A insatisfação não é à toa, já que nos últimos cinco jogos foram apenas dois gols são-paulinos, um triunfo, dois empates e duas derrotas. Mas não acaba por aí, o desempenho ofensivo diante do CSA, no último domingo, intensificou a irritação da torcida.

Antes de enfrentar a equipe alagoana, o Tricolor estava há três partidas sem balançar a rede dos adversários (Vasco, Grêmio e Internacional), algo que não é surpreendente, já que durante toda a temporada figurou entre os piores ataques em comparação com os outros clubes de Série A. A esperança com o retorno de vários jogadores importantes era de melhora, que não aconteceu.

– Começamos bem o jogo, com mobilidade e intensidade, criando inúmeras oportunidades. Finalizamos muito, e concluímos em gol apenas um vez. É um dia que não é para acontecer, infelizmente. Era um jogo para ter vencido – declarou Cuca após o empate no Morumbi.

O técnico tem razão, já que segundo o Footstats o São Paulo teve 21 finalizações erradas durante a partida. Número altíssimo, que passou a ser o segundo maior de um time em um jogo deste Brasileirão, o primeiro foi do Avaí (22 chutes errados) contra o Botafogo. Hernanes, que foi um dos melhores do Tricolor em campo, tentou encontrar uma justificativa para esses equívocos.

– Nós conseguimos ter volume de jogo, posse de bola, faltou aquele toque final, porque quando a equipe está passando por esse momento de ajuste, a bola parece não encontrar o caminho dos gols ou a gente também que não tem a competência de fazer, mas vamos trabalhar – avaliou o camisa 15 em coletiva.

Também de acordo com o Footstats, nenhum jogador são-paulino tem média superior a uma finalização certa por partida. Antony tem o índice mais alto (0,9 por jogo) com 13 chutes certos em 14 duelos disputados, mas ele marcou apenas um gol na competição até aqui. O “Profeta” acredita que a equipe está pecando pela falta de calma no momento da conclusão.

– São jogos assim que a gente precisa de um pouco mais de tranquilidade, escolher a melhor opção no último passe para a finalização para abir o placar e aí a equipe encontrar uma maneira mais tranquila de jogar, então talvez tenha faltado um pouco mais de tranquilidade para definir, escolher melhor o último passe ou o último chute – complementou o meio-campista.

Cuca seguiu na mesma linha de Hernanes, e tocou no ponto da ansiedade e da falta de confiança da equipe quando não consegue balançar a rede. Esses fatores acabaram desperdiçando pontos importantes para as pretensões do clube no campeonato, no qual o líder já está dez pontos à frente do Tricolor.

– Começamos o jogo muito bem, o time bem espaçado. Mas a bola não entra, começa a bater ansiedade e a confiança vai saindo. O adversário marcou muito bem, mas não justifica. Esse é um jogo que deveríamos ter ganhado – concluiu o treinador são-paulino em sua coletiva após o empate com o CSA.

O São Paulo volta a campo neste sábado, às 11h, para enfrentar o Botafogo, no Nilton Santos, pela 20ª rodada do Brasileirão-2019. No momento, o Tricolor ocupa a sexta posição na tabela, com 32 pontos, dez atrás do líder Flamengo.

Lance!

Anúncios

10 comentários

  1. Jogos do SPFC em 2019: 41

    Hernanes 27 jogos (alto investimento) – 65% dos jogos
    Pablo 18 jogos (alto investimento) – 43% dos jogos
    Pato 13 jogos (alto investimento) – 31% dos jogos
    Rojas 0 jogos – 0% dos jogos

    Artilheiro do time:

    Pato, Pablo e Reinaldo: 5 gols

    Antony: 32 jogos / 3 gols (0.09 por partida)

    Com esses números ridículos dá pra entender que não importa só gastar dinheiro e contratar. Ou vc credita tudo ao azar ou busca o problema na raiz.

    • O percentual do Pato sobe um pouco porque ele chegou e/ou ficou disponível depois do Paulista.

      Mas o raciocínio tá certo.

      A artilharia está muito baixa mesmo.

  2. Como conseguir disputar o título com um poder de fogo tão fraco no ataque?
    Só o Gabigol tem quase tantos gols quanto o nosso time inteiro, aí fica difícil, a não ser que encaremos o segundo turno como um novo campeonato!!!!

  3. Fico imaginando o Tele Santana vendo os treinos de hoje que os treinadores fazem com os jogadores, no caso do nosso time. Sempre leio que teve treino em campo reduzido, 3 times diferentes e etc, daí quando joga, não acertam passe de meio metro, não acertam chutes a gol, não acertam cruzamentos, não fazem tabelas ou triangulações.

    O Mestre Tele acho que na sua simplicidade ia só dar coletivo e melhorar o entrosamento. O futebol mudou e ficou ruim pra caramba ou é exigência minha?

  4. Parabéns ao Denis omrod, pois quando estes dirigentes quebrarem o clube, teremos de quem contar a conta pela gestão temerária. Infelizmente, parece que teremos que esperar que isto aconteça pata refundar o time e voltar aos tempos de Glória ou vamos fazer como os porcos e protestar na casa do leco e da patota.

  5. Se o que se passa no SPFC já há anos acontecesse no Flamerda, no Guarani da capital ou no Small o pau já teria cantado há muito . Nossa torcida é muito passiva, por isso vai demorar muito mais para sairmos da crise

  6. Finalização teria que ter entrado em pauta já faz muito tempo.
    Mas e a criação de jogadas? Ninguém vai falar nada? Porque, sem ela, não tem bola pra galera finalizar lá na frente.

    É só chutão pra frente sem padrão nenhum de jogo. Assim nem o Messi resolve.

O São Paulo precisa de nós! Vamos apoiar!