Toró, jogador do São Paulo FC, comemora seu gol durante partida contra a Chapecoense, válida pela décima primeira rodada do Campeonato Brasileiro 2019.

Uau! Foi assim, ó, como se a noite fechada virasse dia luminoso de repente, num átimo – depois de um primeiro tempo nebuloso, desorganizado e triste, o São Paulo, no segundo, disparou fulminante goleada sobre a Chape, no Morumbi.

E o autor do feitiço foi Cuca, que, no intervalo, fez duas substituições fatais: saíram Pato e Luan para as entradas de Toró e Everton.

Logo aos três minutos, Everton escapa velozmente pela esquerda e cruza pra Antony finalizar de cabeça: 1 a 0. Aos 8, Toró infiltra-se pelo meio e dispara um tiro certeiro, de curva: 2 a 0. E, dois minutos depois, Raniel rouba a bola do zagueiro na entrada da área e bate firme: 3 a 0.

Em dez minutos, o Tricolor jogou mais do que em toda a temporada somada.

É verdade que, seguindo a receita diária dos nossos clubes, a partir daí ficou cozinhando o gala lá atrás, diante de uma Chapecoense incapaz de fustigar de fato a defesa tricolor.

Diante disso, já no finzinho da partida, Igor Vinicius recebe boa bola de Tchê-Tchê na direita e cruza para Vítor Bueno, que acabara de entrar no lugar de Raniel, concluir de cabeça, sozinho, ele e as redes vazias.

A questão, agora, é saber se esse momento singular do São Paulo foi apenas um passe de mágica, ou se representa um passo adiante na formulação do time daqui pra frente.

Alberto Helena Jr